Política

Cancelada? Após votar pela reforma, Tabata sofre onda de “unfollows”

Em cerca de 3 horas, deputada perdeu 10 mil seguidores no Instagram; internautas se indignaram com o voto favorável à reforma da Previdência

Foto: Luis Macedo/Agência Câmara
Apoie Siga-nos no

Após votar a favor da reforma da Previdência, na quarta-feira 10, a deputada federal Tabata Amaral (PDT-SP) causou enorme desagrado entre internautas e já perdeu milhares de seguidores em sua conta no Instagram. CartaCapital contabilizou que, em cerca de 3 horas, a parlamentar perdeu 10 mil seguidores em seu perfil. Às 19h20 de quarta-feira 10, eram 657 mil seguidores, número que desceu para 650 mil às 21h44 e, às 22h48, estava em 647 mil. Nesta quinta, às 11h25, o índice decresceu ainda mais, marcando 640 mil.

O voto de Tabata traiu o posicionamento de seu partido, que fechou questão contra as alterações no sistema de aposentadoria. O PDT chegou a ameaçar de expulsão. A parlamentar foi à internet se explicar. “Meu voto pela reforma da Previdência é por consciência, não é vendido”, declarou. “Ao tomar essa decisão, eu olho para o futuro do País e não para o próximo processo eleitoral. Ser de esquerda não pode significar que vamos ser contra um projeto que, de fato, pode transformar o Brasil mais inclusivo e mais desenvolvido.”

A deputada também divulgou uma lista, em seu site, com perguntas e respostas para esclarecer sua decisão. Na publicação, ela diz que os trabalhadores mais pobres “não serão muito afetados pela reforma”. “Os trabalhadores pobres, especialmente os que ganham até 1 salário mínimo, não serão muito afetados pela reforma e continuarão se aposentando por idade, como já ocorre hoje, com 100% do seus rendimentos e elegíveis para receber o Benefício de Prestação Continuada”. Também diz “não ser correto” afirmar que a economia prevista com a reforma recaia sobre trabalhadores de até 2 salários mínimos.

Mas as justificativas não convenceram boa parte de seu eleitorado. No vídeo publicado no Facebook de Tabata, em que dá satisfações sobre seu voto, diversos internautas se mostram indignados com a parlamentar. “Tinha uma grande admiração, achei que era sangue novo, idealista. Que decepção, tirou a máscara”, diz um comentário, com 2,9 mil reações. Outra internauta desabafa, em comentário com 6,8 mil reações: “Se arrependimento matasse, eu tava morta nesse momento! Decepcionante!”

No Twitter, uma chuva de críticas – e memes – levou o nome de Tabata para os mais comentados da noite. Uma usuária publicou uma foto da atriz Paris Hilton cobrindo pichações na parede e escreveu: “Eu apagando todos os tweets que eu fiz exaltando a Tabata Amaral”.

Outro internauta sugeriu que os eleitores da parlamentar foram “enganados”.

O cartunista Ribs também se manifestou em uma publicação crítica ao apoio de Tabata à reforma da Previdência. “Tabata Amaral, não serve estudar em Harvard se não consegue entender que o povo não quer a reforma da Previdência”, escreveu o desenhista, em sua legenda. O post alcançou mais de 10 mil curtidas.

Ver esta publicação no Instagram

@tabataamaralsp não serve estudar em Havard se não consegue entender que o povo não quer Reforma da Previdência. . Esse deu preguiça até de terminar.

Uma publicação partilhada por Ribs (@o.ribs) a

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo