Sociedade

Fotos: como foi a greve contra a reforma da Previdência pelo Brasil

Os manifestantes não deram sossego ao caso Moro-Dallagnol, aos cortes na educação e à defesa da revogação do porte de armas

Apoie Siga-nos no

A greve geral de 14 de Junho começou cedo. Rodovias, terminais e avenidas foram bloqueadas por manifestantes de todo o País. Centrais sindicais se uniram e paralisaram suas atividades de trabalho. Professores e estudantes de escolas municipais e universidades se somaram aos corpos nas ruas. Capitais e grandes cidades de todo o País realizaram atos contra a reforma da Previdência que tramita no Congresso Nacional.

Existiam, no entanto, outras pautas de reivindicação dos manifestantes. Estavam nos gritos e nos cartazes a revolta pelo conteúdo das conversas vazadas entre o ex-juiz Sergio Moro e o procurador Deltan Dallagnol, a defesa bolsonarista na luta pela liberação do porte de armas, os contingenciamentos orçamentários na Educação, a falta de resolução quanto ao assassinato de Marielle Franco, a luta pela liberdade do ex-presidente Lula e contra o governo Bolsonaro. Veja nas imagens:

SALVADOR

(Fotos: Pedro Soares/Coletivo Iso 134)

RIO BRANCO

(Fotos: Lua Gomes e Denilson Almeida)

PORTO ALEGRE

(Fotos: Lucas Leffa)

RIO DE JANEIRO

(Foto: Guilherme Silva)

(Fotos: Michelle Guimarães)

(Fotos: Lia Castanho)

RECIFE

(Fotos: Pedro Caldas/CUCA da UNE)

SÃO PAULO

(Foto: Karla Boughoff)

(Foto: Maiakovski Pinheiro)

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo