Mundo

Brasil apoia plano de paz de Trump para o Oriente Médio

O plano apresentado pelos EUA é criticado pelos palestinos e boa parte dos países árabes

O presidente Jair Bolsonaro cumprimentou o chefe da Casa Branca, Donald Trump, na Assembleia de 2019; encontro não dev Foto: Alan Santos/PR
O presidente Jair Bolsonaro cumprimentou o chefe da Casa Branca, Donald Trump, na Assembleia de 2019; encontro não dev Foto: Alan Santos/PR

O governo brasileiro manifestou, nesta quarta-feira (29), apoio ao plano de “paz e prosperidade” do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, para o Oriente Médio, criticado pelos palestinos e boa parte dos países árabes.

Através de uma nota, o ministério das Relações Exteriores afirma que o plano “configura uma visão promissora para, após mais de sete décadas de esforços infrutíferos, retomar o caminho rumo à tão desejada solução do conflito israelense-palestino”.

 

Segundo a chancelaria, a proposta é “realista e ao mesmo tempo ambiciosa”, e “contempla aspirações tanto de palestinos quanto de israelenses, incluindo aspectos fundamentais como a erradicação do terrorismo, a existência do Estado de Israel com segurança para sua população, o estabelecimento de um Estado palestino democrático e comprometido com a paz (…)”.

“O governo brasileiro exorta tanto israelenses quanto palestinos a considerar o plano com toda a seriedade e a iniciar negociações partindo das bases ali expostas”, acrescenta.

Desde a posse em janeiro de 2019, o governo de Jair Bolsonaro quebrou a tradicional neutralidade diplomática brasileira no conflito israelense-palestino.

Bolsonaro se declarou aliado dos governos dos Estados Unidos e Israel e anunciou que mudaria a embaixada brasileira de Tel Aviv para Jerusalém, assim como o presidente americano, Donald Trump, em 2018, que causou o mal-estar entre os países árabes, grandes compradores de carne brasileira

Em dezembro passado, o governo brasileiro inaugurou um escritório comercial em Jerusalém, na presença do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente, que confirmou a intenção de seu pai de transferir a embaixada para a Cidade Santa.

O plano americano para resolver esse conflito, anunciado na terça-feira, faz muitas concessões a Israel e foi rejeitado pelos palestinos.

O projeto de Trump reconhece a anexação de colônias israelenses na Cisjordânia, em terras palestinas, significa, segundo a ONU, uma violação do direito internacional.

Os palestinos aspiram a ter um estado que respeite as fronteiras de 1967, antes do início da ocupação israelense de seus territórios.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!