Mundo

Manifestações pró-Palestina se multiplicam em universidades dos EUA

De Los Angeles a Nova York, passando por Austin e Boston, o movimento cresce, uma semana depois de começar na Universidade de Columbia

Ato pró-Palestina na Universidade da California, em 25 de abril de 2024. Foto: Frederic J. Brown/AFP
Apoie Siga-nos no

Com centenas de detidos e confrontos com policiais, as manifestações pró-palestinos se tornaram uma onda em expansão nas universidades dos Estados Unidos, onde acampamentos se multiplicam nos campi, em um ambiente de aumento da tensão.

De Los Angeles a Nova York, passando por Austin e Boston, o movimento estudantil pró-Palestina cresce, uma semana depois de ter começado na Universidade de Columbia, em Nova York. Ele abrange universidades renomadas, como Princeton e Harvard.

Grupos de estudantes montaram barracas nos campi para denunciar o apoio militar americano a Israel e a situação humanitária dramática na Faixa de Gaza.

Na tarde da quarta-feira 24, mais de 100 pessoas foram presas perto da Emerson College, em Boston. Em Austin, dezenas de estudantes da Universidade do Texas foram presos pela polícia montada.

No campus da Universidade do Sul da Califórnia (USC), em Los Angeles, 93 pessoas foram presas por invasão de propriedade privada. A instituição optou por deixar o campus fechado até nova ordem e cancelou sua principal cerimônia de formatura neste ano, por segurança.

No campus da universidade de Emory, em Atlanta, os manifestantes foram retirados à força pela polícia, segundo imagens registradas por um fotógrafo da AFP. A polícia de Atlanta informou que usou “irritantes químicos” diante da violência de alguns manifestantes.

Onda crescente

Apesar disso, o movimento de protesto cresce. Na UCLA, em Los Angeles, mais de 200 estudantes montaram um acampamento com cerca de 30 barracas, cercado de faixas.

Durante 201 dias, o mundo assistiu em silêncio ao assassinato de mais de 30 mil palestinos por Israel. A UCLA se une hoje aos estudantes que, ao redor do país, exigem que suas universidades se afastem das empresas que se beneficiam da ocupação, do apartheid e do genocídio na Palestina”, diz uma declaração divulgada pelos organizadores do protesto.

Em Austin, cerca de 2 mil estudantes se manifestaram nesta quinta no campus da Universidade do Texas, aos gritos de “Libertem a Palestina!”. Para a professora Kit Belgium, a universidade deve garantir “a liberdade de expressão e o debate livre de ideias”.

Perto de uma das manifestações pró-Gaza, cerca de 30 estudantes organizaram uma contramanifestação.

A estudante de jornalismo da Universidade do Texas Jasmine Rad, uma jovem judia de 19 anos, considera as manifestações de apoio aos palestinos perigosas. “Causam danos aos estudantes judeus e àqueles que não se sentem seguros por causa da violência em nosso campus.”

Preocupação

Autoridades temem que os protestos propaguem incidentes antissemitas.

O ex-presidente e candidato republicano Donald Trump condenou hoje as manifestações e disse que “o nível de ódio” é muito superior ao da manifestação da extrema-direita em Charlottesville em 2017, que deixou um morto e 19 feridos.

“Temos protestos por toda parte”, ressaltou Trump ao deixar a sala do tribunal de Manhattan onde é julgado por falsificação de registros comerciais. “Charlottesville foi insignificante, não foi nada comparado com isto. O ódio não era o mesmo que há aqui.”

A equipe de campanha do presidente Joe Biden respondeu divulgando vídeos do comício em Charlottesville que mostram “membros neonazistas e da KKK” gritando “os judeus não vão nos substituir”.

Biden apoiou o direito dos estudantes à liberdade de expressão, mas criticou a possibilidade de atos antissemitas.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo