Política

Bolsonaro suspende prazos de respostas à Lei de Acesso à Informação

A medida determina que o prazo fica suspenso até o fim do estado de calamidade pública

O presidente Jair Bolsonaro se defendeu de críticas em meio a pandemia. Foto: Reprodução/YouTube
Apoie Siga-nos no

O presidente Jair Bolsonaro editou uma Medida Provisória que suspende o prazo de respostas à Lei de Acesso à informação a todos os órgãos e entidades da administração pública cujos servidores estão sujeitos a regime de quarentena ou home office.

Publicada no Diário Oficial da União segunda-feira 23, a medida determina que o prazo fica suspenso até o fim do estado de calamidade pública, decretado na última sexta-feira, 20, com prazo para vigorar até o fim do ano. Depois disso, o órgão deverá responder normalmente em até dez dias.

A decisão do presidente, no entanto,  prioriza as solicitações que tratem de medidas de enfrentamento de emergência de saúde pública.

Pela Lei, todo órgão público deve responder em até 20 dias todo e qualquer pedido feito por um cidadão envolvendo dados, documentos ou informações públicas. O prazo pode ser estendido por mais dez dias corridos.

Além disso, a medida determina que não serão conhecidos os recursos apresentados diante de negativa de pedido de informação e que usem como argumento os critérios utilizados pelo governo para suspender os prazos. Anteriormente, todo pedido negado ou com justificativa insuficiente ou incorreta tinha direito a recorrer em até duas instâncias dentro do órgão enviado.

O presidente alterou também a forma de fazer o pedido, que a partir do momento  devem ser feitos exclusivamente pela internet.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo