Política

Bolsonaro rebate Moro: ‘Ficou mais de um ano aqui e não aprendeu nada’

Bolsonaro disse aos apoiadores que se considera como a melhor opção de voto em 2022

Foto: Reprodução/Redes Sociais
Foto: Reprodução/Redes Sociais

O presidente Jair Bolsonaro reagiu na manhã desta quinta-feira 11 ao discurso de filiação ao Podemos feito pelo ex-ministro da Justiça Sergio Moro. Para o ex-capitão, o atual adversário ‘não aprendeu nada’ enquanto esteve no seu governo.

“Vocês gostaram do discurso lido pelo cara ontem? Eu assisti porque ele foi meu ministro. Ele leu o discurso, tinha dois teleprompters do lado…não aprendeu nada. Ficou um ano e quatro meses aqui e não sabe o que é ser presidente, nem ser ministro”, criticou aos apoiadores que o acompanharam no cercadinho em frente ao Palácio do Alvorada.

O presidente ainda disse estar com dificuldades para encontrar um bom candidato para ser seu apadrinhado no governo de São Paulo. Na quarta, Bolsonaro colocou a escolha como a principal condição para fechar sua filiação com o PL, de Valdemar Costa Neto.

Sobre a corrida presidencial, o ex-capitão afirmou que se considera a melhor opção de voto. “Se eu sair fora, sobra o que na mesa aí? Eu não falo que sou bom não, mas o que tá na mesa aí é intragável”, disse um dia depois das pesquisas indicarem sua derrota nas urnas.

Na conversa com os bolsonaristas, o presidente novamente tentou se desvencilhar da responsabilidade pela crise econômica brasileira. “Como é que está a inflação? Já sabem quem é o culpado? Quem não fechou nenhum botequim sou eu”, lamentou. “É impressionante, o cara broxa em casa e eu sou o culpado”, acrescentou mais adiante.

Aos apoiadores, disse ainda não ser o culpado pelo desemprego, que, de acordo com sua visão, não seria real.

“O problema do desemprego chama-se metodologia. Quem está vivendo na informalidade, tá há 10 anos vendendo algo na rua, é tido como empregado e quando foi fechado tudo esse pessoal foi procurar emprego, mas não tinha. Aí entrou tudo na lista dos desempregados. Dai vem a imprensa, a esquerda, acusar que eu aumentei o desemprego no Brasil”, distorceu.

O presidente foi questionado também sobre o Auxílio Brasil e aproveitou para defender a sua atual obsessão, a PEC dos Precatórios, aprovada na Câmara dos Deputados e aguardando votação no Senado Federal.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!