Política

Bolsonaro insiste em dizer que Adélio não agiu sozinho na facada e revela: ‘Tenho conversado com a PF’

‘Tenho várias suposições na minha cabeça’, afirmou o ex-capitão; duas investigações descartaram qualquer mandante para o crime

Foto: Reprodução/TV Nova Nordeste
Foto: Reprodução/TV Nova Nordeste
Apoie Siga-nos no

O presidente Jair Bolsonaro insistiu, nesta quinta-feira 6, na insinuação de que Adélio Bispo, autor da facada em 2018, não agiu sozinho em Juiz de Fora (MG). Em dois inquéritos, a Polícia Federal concluiu que não houve mandante para o ataque.

O caso, porém, não está encerrado. Com autorização do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, as investigações foram reabertas após uma suspensão obtida a pedido da Ordem dos Advogados do Brasil, que questionava diligências aplicadas contra o advogado Zanone Manuel de Oliveira Júnior, defensor de Adélio à época do crime.

Para dar prosseguimento ao inquérito, a PF escolheu o delegado Martin Bottaro Purper, que já investigou ações ligadas ao Primeiro Comando da Capital, o PCC. Agora, a partir da análise de materiais apreendidos com o advogado de Adélio, o episódio pode ter novos desdobramentos.

A autorização para análise dos materiais, entretanto, ainda está na Justiça e terá de ser analisada pelo Superior Tribunal de Justiça – e, eventualmente, pelo Supremo Tribunal Federal. O argumento da defesa é de que a ação fere o princípio de sigilo profissional entre advogados e clientes.

Bolsonaro retornou ao tema nesta quinta, durante entrevista à TV Nova Nordeste, de Pernambuco, e afirmou que não acredita “de jeito nenhum” que Adélio tenha agido sozinho.

“Como ele tinha dinheiro, se hospedava, viajava pelo Brasil, se não trabalhava? Alguém financiava ele. Como apareceram três advogados? Crimes acontecem a todo momento, mas não aparecem advogados. Por que só o Adélio?”, perguntou o ex-capitão. “Foi quase um milagre ele não ser linchado no meio daquela multidão. O advogado tinha de interferir para ele não abrir o bico.”

O presidente ainda disse esperar que a PF “chegue a uma conclusão sobre os mandantes desse crime”.

“Tenho várias suposições na minha cabeça e tenho conversado com a Polícia Federal no sentido de ajudá-la a desvendar esse crime.”

Após Bolsonaro ser internado na última segunda-feira 3 com fortes dores abdominais, a facada voltou a ser um tema presente nos círculos bolsonaristas. O presidente recebeu alta na quarta-feira 5 e, segundo o médico Antonio Luiz Macedo, a nova obstrução intestinal foi provocada por um camarão não mastigado corretamente.

CartaCapital
Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.