Bolsonaro deu 1.682 declarações falsas ou enganosas em 2020, aponta relatório

Levantamento da ONG internacional Artigo 19 também sugere queda no nível de liberdade de expressão no mundo e no Brasil

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Política

O presidente Jair Bolsonaro emitiu 1.682 declarações falsas ou enganosas em 2020 – ou seja, mais de quatro por dia. É o que mostra um relatório da ONG Artigo 19, com escritório em noves países, inclusive o Brasil. As informações fazem parte do “Relatório Global de Expressão 2021”, com dados de 161 países.

O levantamento destacou algumas declarações de Bolsonaro, como chamar a Covid-19 de “gripezinha”, enquanto “promove discursos antivacinas e anti-isolamento, piorando as taxas de infecção e causando uma crise de informação com discursos altamente polarizados”. Desde janeiro de 2019, quando assumiu o cargo e ainda não havia pandemia, Bolsonaro fez 2.187 declarações falsas ou distorcidas.

Segundo a ONG, o tipo mais perigoso de desinformação “tem sido as teorias de conspiração sobre minorias étnicas que espalham a doença e o discurso de ódio, traduzidas em discriminação e violência no mundo real, remédios caseiros espúrios para a prevenção ou cura do vírus e propaganda — tanto por autoridades políticas nacionais quanto estrangeiras”.

“Em outros casos, a desinformação vem de indivíduos que ocupam posições relevantes — até mesmo chefes de governo, como Jair Bolsonaro — geralmente por meio de contas pessoais, em vez de oficiais, nas redes sociais. Esses indivíduos isolados podem ter um grande impacto na disseminação da desinformação. O presidente dos Estados Unidos [Donald Trump, que estava no cargo em 2020] foi provavelmente o maior impulsionador da ‘infodemia’ de informações errôneas sobre a COVID-19 em língua inglesa”, diz trecho do relatório.

O documento traz informações sobre os constantes ataques de Bolsonaro à imprensa. Conforme o levantamento, o presidente, seus ministros ou assessores próximos, constrangeram ou deslegitimaram jornalistas 464 vezes.

Além disso, houve 254 violações contra jornalistas e comunicadores em 2020, das quais 123 perpetradas por agentes públicos e 20 constituindo casos graves, como homicídios, tentativas de homicídio e ameaças de morte.

“Essas atitudes influenciam as autoridades locais e se manifestam em atitudes, assédio e ações judiciais contra jornalistas. Esse nível de agressão pública não era visto desde o fim da ditadura militar. A crescente hostilidade social contra jornalistas e seus efeitos desencorajadores não devem ser subestimados”, diz o relatório.

Outro ponto destacado foi o aumento da utilização da Lei de Segurança Nacional, da época da ditadura militar “como arma contra manifestantes e jornalistas que desafiaram o presidente por sua falta de ação, mesmo com o aumento das evidências do escopo da emergência da Covid-19”.

 

O documento também indica queda no nível de liberdade de expressão no mundo em geral e no Brasil. O País obteve apenas 52 pontos numa escala que vai de 0 a 100, o que indica, segundo a ONG, liberdade de expressão restrita.

É índice mais baixo registrado pelo Brasil, desde quando começou a ser calculado pela ONG, em 2010. Na época o país tinha uma pontuação de 89. Este nível foi caindo de forma significante nos últimos anos.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem