Bolsonaro confirma senador Ciro Nogueira na Casa Civil

O presidente também disse que o general Luiz Eduardo Ramos e Onyx Lorenzoni serão realocados em outros ministérios

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Foto: Reprodução/Redes Sociais

Política

O presidente Jair Bolsonaro confirmou o convite ao senador Ciro Nogueira (PP-PI) para ocupar o cargo de ministro-chefe da Casa Civil. A nomeação foi confirmada em entrevista à rádio Banda B nesta quinta-feira 22 e, segundo o presidente, deve acontecer na próxima segunda-feira 26.

“A princípio é ele [Ciro Nogueira]. Conversei e ele aceitou. Ele está em recesso, chega em Brasília segunda-feira, eu converso com ele e acertamos os ponteiros”, afirmou Bolsonaro.

Na resposta anterior dada à rádio, o presidente tinha afirmado apenas que seria um senador a ocupar o cargo mais importante de seu governo. A opção por um congressista seria para ‘melhorar o diálogo com o parlamento’, de acordo com Bolsonaro.

 

 

Na entrevista, o presidente também confirmou as informações de que o general Luiz Eduardo Ramos, da Casa Civil, e Onyx Lorenzoni, da Secretaria-Geral, serão realocados em outros ministérios, como divulgado na quarta-feira 21.

“General Ramos continua sendo ministro palaciano, vai para a Secretaria-Geral. E o Onyx, que eu chamo de Coringa, vai para um novo ministério”, explicou.

O outro ministério ao qual se refere é do Emprego e Previdência, extinto no início do governo e que será recriado na semana que vem para abrigar Onyx.

A recriação da pasta indica mais uma quebra de promessa de campanha de Bolsonaro. Antes de assumir, ele garantiu que reduziria para 15 o número de ministérios, atualmente são 23.

Essa será a segunda pasta recriada para abrigar um aliado do Centrão, a primeira foi a volta do Ministério das Comunicações, ocupada por Fábio Farias (PSD-RN).

Na conversa, Bolsonaro se justificou dizendo que a recriação não representa um aumento: “Não vai ser aumentado o número de ministérios, como o Banco Central perdeu esse status há dois meses, nós restabelecemos 23 ministérios”.

O presidente ainda minimizou a entrevista dada por Luiz Eduardo Ramos ao Estadão após a divulgação de que seria demitido da Casa Civil. O ministro disse ter sido ‘atropelado por um trem’ com a informação de que deixaria o cargo.

“Na área militar é assim, a gente costuma tomar decisões sem ouvir muita gente. Ele usou uma força de expressão, o trem seria se ele saísse do ministério e ele continua sendo ministro”, destacou.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem