Política

Bolsonaro aciona o STF contra Moraes por suposto ‘abuso de autoridade’

Na lista de justificativas para protocolar o documento, o ex-capitão aponta a sua inclusão no Inquérito das Fake News

JAIR BOLSONARO E ALEXANDRE DE MORAES. FOTOS: EVARISTO SÁ/AFP E ANDRESSA ANHOLETE/AFP
Apoie Siga-nos no

O presidente Jair Bolsonaro acionou o Supremo Tribunal Federal contra o ministro da Corte Alexandre de Moraes por suposto “abuso de autoridade”.

Na lista de justificativas para protocolar a notícia-crime, o ex-capitão aponta a sua inclusão no Inquérito das Fake News, uma decisão classificada como fuga da “liturgia que se espera de um sistema acusatório”.

Em agosto de 2021, Moraes acolheu uma notícia-crime enviada pelo Tribunal Superior Eleitoral para incluir Bolsonaro na investigação. No documento, o TSE encaminhou um link para um pronunciamento de Bolsonaro em julho em que fez uma série de afirmações falsas contra o sistema eleitoral.

Ainda no âmbito do Inquérito das Fake News, Bolsonaro alega que Moraes cometeu abuso de autoridade ao “negar o acesso das defesas a diversos documentos já colacionados aos autos”; ao impedir o direito a “ampla defesa e contraditório”; ao decretar medidas sem amparo legal; e ao mantê-lo como investigado.

No ofício protocolado no STF, Bolsonaro pede que o presidente da Corte, Luiz Fux, abra investigação contra Moraes. Também solicita o envio por Moraes da cópia integral dos autos do Inquérito das Fake News, do Inquérito dos Atos Antidemocráticos (já encerrado) e do Inquérito das Milícias Digitais.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo