Política

Áudio de Mauro Cid obtido pela PF indica US$ 25 mil ’em cash’ para Bolsonaro

O relatório da corporação foi enviado ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal

Jair Bolsonaro e Mauro Cid. Foto: Mauro Pimentel/AFP
Apoie Siga-nos no

Um dos áudios obtidos pela Polícia Federal pode comprometer ainda mais a situação de Jair Bolsonaro no caso do desvio de presentes recebidos em viagens oficiais pelo governo do ex-presidente.

O relatório da corporação foi enviado ao ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, que autorizou uma operação de busca e apreensão cumprida nesta sexta-feira 11 contra:

  • o general do Exército Mauro Cesar Lourena Cid, pai de Mauro Cid, ex-ajudante de ordens de Bolsonaro;
  • o segundo-tenente do Exército Osmar Crivelatti, braço direito de Mauro Cid;
  • o advogado Frederick Wassef, que defendeu a família Bolsonaro em diversos processos.

O áudio em questão foi enviado por Mauro Cid (filho) a Marcelo Câmara, então assessor da Presidência, em 18 de janeiro deste ano.

Segundo a PF, as mensagens revelam “o objetivo de tentar vender as esculturas douradas e a existência de recursos em dólar, supostamente de propriedade de JAIR BOLSONARO, em posse do General MAURO LOURENA CID”.

Em um mesmo áudio, Cid menciona 25 mil dólares supostamente direcionados a Bolsonaro, tentativas de vender objetos folheados a ouro recebidos em viagem oficial ao Bahrein e tratativas para levar a leilão um kit de luxo enviado pela Arábia Saudita ao governo brasileiro.

Na mensagem, Cid deixa claro o receio de utilizar o sistema bancário para repassar o dinheiro ao ex-capitão.

‘Tem vinte e cinco mil dólares com meu pai. Eu estava vendo o que, que era melhor fazer com esse dinheiro levar em ‘cash’ aí. Meu pai estava querendo inclusive ir ai falar com o presidente (…) E aí ele poderia levar. Entregaria em mãos. Mas também pode depositar na conta (…). Eu acho que quanto menos movimentação em conta, melhor ne? (…)”, diz a transcrição da PF.

Na sequência, o tenente-coronel aborda a tentativa de vender esculturas que seriam presentes entregues por autoridades do Oriente Médio.

“(…) Aquelas duas peças que eu trouxe do Brasil: aquele navio e aquela árvore; elas não são de ouro. Elas têm partes de ouro, mas não são todas de ouro (…) Então eu não estou conseguindo vender. Tem um cara aqui que pediu para dar uma olhada mais detalhada para ver o quanto pode ofertar (…) eu preciso deixar a peça lá (…) pra ele poder dar o orçamento. Então eu vou fazer isso, vou deixar a peça com ele hoje (…).”

Por fim, Cid menciona a Câmara o procedimento de venda, por meio de um leilão, de um kit contendo um relógio.

“O relógio aquele outro kit lá vai, vai, vai pro dia sete de fevereiro, vai pra leilão. Aí vamos ver quanto que vão dar(…)’”, emendou o militar.

Câmara, por sua vez, responde à dúvida de Cid sobre os 25 mil dólares. “Melhor trazer em cachê”, afirmou. Lacônico, Cid disse apenas: “Ok ciente”.

Como informou CartaCapital, a PF suspeita de que Bolsonaro usou o governo para vender as joias e receber dinheiro vivo.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo