Política

As prioridades de PT e PSB antes da decisão entre Haddad e França para o governo de SP

Presidente do partido, Gleisi Hoffmann, reforça a importância da federação e diz quais outros estados os partidos negociam no momento

A presidenta do PT, Gleisi Hoffmann
Apoie Siga-nos no

Enquanto o pré-candidato ao governo de São Paulo pelo PSB, Márcio França, diz que tem mais chances de vitória do que o ex-prefeito Fernando Haddad no estado, a cúpula petista não trata a discussão, ao menos no momento, como uma prioridade.

PT e PSB tentam, junto com PCdoB e PV, construir uma federação partidária que ainda não foi consolidada por divergências que envolvem as candidaturas nos estados e também na divisão de cargos na futura união.

Nesta quarta-feira 16, após participar de evento do PSOL em Brasília, a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann,  afirmou que o debate sobre o nome da federação que disputará o governo paulista não é pauta por enquanto.

“Não estamos com foco de discussão em São Paulo. Já fizemos a discussão de Pernambuco, estamos fazendo com o Rio Grande do Sul e ainda temos o Espírito Santo”, afirmou a deputada em conversa com CartaCapital.

“Temos que sentar lá e construir uma posição conjunta, uma unidade desse campo que me parece que vai garantir uma vitória da candidatura ao governo do estado e à Presidência da República”, acrescentou.

Em Pernambuco, base do PSB, o senador Humberto Costa (PT) retirou a sua candidatura ao governo do estado em favor de um nome a ser indicado pelo governador Paulo Câmara (PSB). O mais cotado é o deputado federal Danilo Cabral (PSB).

No Espírito Santo, o atual governador, Renato Casagrande (PSB), deve ser candidato à reeleição. Já o senador Fabiano Contarato, recém-filiado ao PT, pode disputar o cargo.

Já no Rio Grande do Sul, a disputa se dá entre Edegar Pretto (PT) e Beto Albuquerque (PSB).

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo