Política

Arquidiocese de São Paulo se diz ‘perplexa’ com CPI que mira o Padre Júlio Lancellotti

‘Reiteramos a importância de que continuem a ser realizadas as obras de misericórdia junto aos mais pobres’, diz a entidade da Igreja Católica

Padre Júlio Lancellotti é conhecido por atuar em defesa da população em situação de rua. (Foto: Reprodução/Facebook)
Apoie Siga-nos no

A Arquidiocese de São Paulo disse nesta quarta-feira 3 acompanhar com “perplexidade” as notícias sobre a possível instalação da CPI das ONGs pela Câmara Municipal de São Paulo. Trata-se, na prática, de uma comissão contra o Padre Júlio Lancellotti, o movimento A Craco Resiste e o Centro Social Nossa Senhora do Bom Parto.

“Na qualidade de Vigário Episcopal para a Pastoral do Povo da Rua, Padre Júlio exerce o importante trabalho de coordenação, articulação e animação dos vários serviços pastorais voltados ao atendimento, acolhida e cuidado das pessoas em situação de rua na cidade”, reforça a Arquidiocese.

“Reiteramos a importância de que, em nome da Igreja, continuem a ser realizadas as obras de misericórdia junto aos mais pobres e sofredores da sociedade.”

O pedido de abertura da CPI foi protocolado em 6 de dezembro pelo vereador Rubinho Nunes (União), ex-integrante do Movimento Brasil Livre, o MBL. Na atual legislatura, porém, há mais de 40 solicitações de comissões parlamentares, o que torna necessário um acordo para “furar a fila”.

No requerimento, Nunes argumenta que a CPI teria a “finalidade de investigar as Organizações Não Governamentais (ONGs) que fornecem alimentos, utensílios para uso de substâncias ilícitas e tratamento aos grupos de usuários que frequentam a região da Cracolândia”.

Segundo ele, “a atuação dessas ONGs não está isenta de fiscalização, sendo necessária a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI), até porque, algumas delas frequentemente recebem financiamento público para realizar suas atividades”.

Em contato com a reportagem de CartaCapital, Júlio Lancellotti questionou o mérito do pedido de instalação do colegiado.

“As CPIS são instrumentos legítimos do Poder Legislativo, que tem toda a autoridade e prerrogativa para implantá-las segundo o ritual de cada esfera do poder”, declarou. “Mas elas têm que ter um fim, um foco específico que, no caso, são as ONGS que prestam assistência à população da Cracolândia. Eu não faço parte de nenhuma ONG. Então, quem tem que ser investigado é o poder público e as ONGs com as quais se estabelece convênios.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo