Política

Quem é Nelson Barbudo, ruralista que vai assumir a cadeira deixada por Amália Barros na Câmara

Amália Barros, do PL de Mato Grosso, morreu neste domingo após dias de internamento para tratar de um nódulo no pâncreas; o suplente Nelson Barbudo já foi deputado

Barbudo foi o deputado federal mais votado do Mato Grosso em 2018. Foto: Paulo Sérgio/Câmara dos Deputados
Apoie Siga-nos no

Após a morte da deputada federal Amália Barros (PL-MT), no último domingo 12, Nelson Ned Previdente, conhecido como Nelson Barbudo, deverá assumir a vaga dela na Câmara dos Deputados.

Deputado federal mais votado em Mato Grosso nas eleições de 2018, Nelson Barbudo chegou à Câmara na esteira da ascensão do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL). Naquele pleito, ele recebeu 126 mil votos. Assim como Bolsonaro – à época -, ele também era filiado ao PSL.

Antes, porém, Nelson Barbudo foi vereador no município de Alto Taquari, no MS, em 2004. 

Agricultor ligado à bancada ruralista, Barbudo chegou a ser multado, ainda em 2005, por desmatar áreas de preservação permanente em uma fazenda. 

Já na Câmara, ele foi autor de projetos ligados diretamente ao setor rural que apoia Bolsonaro. Um deles, por exemplo, propõe regulamentar a caça de animais no País. 

Outro, que ainda segue em tramitação, visa fazer com que a palavra “carne” não apareça em embalagens de alimentos que não são de origem animal.

Na sua primeira passagem pelo Legislativo, Barbudo também foi além dos temas rurais. Um dos seus projetos buscava alterar o Marco Civil da Internet. 

O deputado tinha como proposta fazer com que a classificação de um conteúdo falso na rede deveria passar pela autorização do próprio disseminador do conteúdo.

Imagina-se que um verificador de notícias interessado em apoiar determinada agenda política poderá, por exemplo, submeter a escrutínio apenas publicações de figuras políticas que defendam interesses contrários aos seus, classificando-os sistematicamente como falsos“, argumentava Barbudo naquela ocasião. 

O projeto foi apresentado em 2021 e segue em tramitação, prevendo multas para verificadores de conteúdo que descumpram as normativas.

Em 2022, Barbudo não repetiu o desempenho do pleito anterior e sequer alcançou o número de votos suficientes para ser eleito. Naquele ano, ele obteve pouco mais de 50 mil votos, o que, apesar de tê-lo impedido de assumir a cadeira, levou Barbudo à suplência. O novo mandato vai até 2026.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo