Política

Após polêmica, Doria desiste oficialmente de “farinata”

Prefeito decide ampliar a compra de alimentos orgânicos para as escolas e não usará o granulado de restos de comida na assistência social

Doria desistiu do granulado e agora defende comida à moda antiga
Apoie Siga-nos no

De “abençoado” a “excomungado”, o alimento granulado à base de restos de comida não entrará mais no cardápio dos estudantes e das famílias carentes de São Paulo. Nesta quinta-feira 16, o prefeito João Doria afirmou que a distribuição da chamada “farinata” está totalmente descartada. “Dada a polêmica, entendemos que não seria adequado insistir no projeto”, afirmou o prefeito. 

A desistência oficial veio semanas após o ápice da polêmica com o produto, chamado por muitos de “ração humana”. A empresa Plataforma Sinergia, responsável pela produção da “farinata”, retirou de seu site os logos de supostos parceiros após vários deles negarem apoio ao alimento granulado.

A falta de informações nos órgãos de vigilância sobre o produto feito a partir de restos de arroz, feijão, batata e tomate próximos do vencimento também reforçou a desconfiança sobre sua segurança e valor nutricional. Em meio às críticas de nutricionistas e de cidadãos, Doria já dava sinais de que desistiria da ideia, mas preferiu manter-se em silêncio nas últimas semanas até se manifestar contra o produto nesta quinta 16.

Leia também:
Farinata e a autopromoção de Doria
Órgãos de vigilância não trazem informação sobre ‘farinata’ de Doria

Em lugar da “farinata”, Doria agora promete ampliar um política incentivada por seu antecessor, o petista Fernando Haddad: a compra de alimentos orgânicos. A prefeitura informou que investiu neste ano 4,5 milhões de reais em verduras, hortaliças e outros alimentos. Segundo a atual administração, Haddad teria investido 2,8 milhões em seu último ano de mandato.

Antes de desistir totalmente da “farinata”, Doria havia recuado sobre integrar o alimento à merenda escolar. O anúncio de que o produto seria distribuído a estudantes causou mal estar com a Secretaria de Educação, que sequer havia sido informada.

Até o padrinho político de Doria, hoje seu concorrente interno como candidato tucano à Presidência, ironizou o afilhado à época. Geraldo Alckmin, governador de São Paulo, fez propaganda do programa estadual de alimentação pelo Twitter enquanto o correligionário sofria com as críticas. “O Bom Prato garante refeição balanceada, de qualidade e saborosa por 1 real para quem precisa”, escreveu o governador.

Seja por estar mais permeável a críticas da sociedade, seja pelos danos que a campanha da “farinata” produziu sobre sua popularidade, Doria pelo menos entendeu o recado e parece ter moderado seu apetite político.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo