Política

Onda de fake news sobre tragédia no RS é ‘uma questão industrial, planejada’, diz Paulo Pimenta

Nos últimos dias, Pimenta tem sido alvo de diversas notícias falsas

Paulo Pimenta. Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O ministro Paulo Pimenta, indicado por Lula (PT) para coordenar as ações do governo federal no Rio Grande do Sul, voltou a criticar a onda de notícias falsas sobre a tragédia que atinge o estado.

“Todos os dias há novas fake news. E tu vai observar que são as mesmas pessoas, o mesmo ecossistema. Depois, na medida que o governo federal foi responsabilizando algumas pessoas para representá-lo, essas fake news também vieram se direcionando, especificamente para mim”, disse em entrevista para o canal de YouTube Barão de Itararé.

Nos últimos dias, Pimenta tem sido alvo de diversas fake news. As mais recentes publicações afirmavam que ele não bebeu a água fornecida por um filtro enviado pelo governo federal ao Rio Grande do Sul.

“Eles cortaram a parte que a gente toma água e fizeram um vídeo dizendo que não tivemos coragem de tomar. É mentira!”, explicou.

O governo Lula já acionou a Polícia Federal e a Advocacia-Geral da União para investigar, identificar e responsabilizar pessoas que propagam fake news.

Recurso para acolhimento de desabrigados

Na entrevista, Pimenta comentou ainda que o governo estuda destinar recursos diretamente às famílias ou instituições que acolham pessoas desabrigadas, em vez de transferir o dinheiro para as prefeituras.

“Se eu abrigo quatro pessoas na minha casa, vou receber R$ 1.600 por mês de uma forma solidária. Com isso, tentar trabalhar com a perspectiva de descentralizar os abrigos e essa lógica de cidades temporárias”, disse.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo