Economia

Ao lado de Bolsonaro, Guedes justifica permanência: “Somos uma aliança entre liberais e conservadores contra a esquerda”

Repetindo o que diz o presidente, ministro defendeu tese de que Brasil foi o país que menos sofreu economicamente na pandemia

Paulo Guedes e Jair Bolsonaro.

Foto: Reprodução
Paulo Guedes e Jair Bolsonaro. Foto: Reprodução

O ministro da Economia Paulo Guedes participou ao lado de Jair Bolsonaro de uma feira de criação de pássaros em Brasília neste domingo 24. Repetindo os discursos do presidente, afirmou que o Brasil é o país que menos sofreu economicamente durante a pandemia e garantiu que setores mais afetados irão ‘explodir de crescimento’ no fim deste ano.

Nas declarações à imprensa na saída do evento, Guedes não respondeu diretamente a pergunta se segue no governo, mas indicou a todo momento os motivos para sua permanência.

“Nós somos uma aliança entre liberais e conservadores contra a esquerda que tava levando o país pro caminho da miséria, o caminho da Argentina, da Venezuela, com o empobrecimento da população”, justificou os motivos para permanecer no cargo.

Em seguida, o ministro passou a defender a tese de que o Brasil está melhor economicamente do que todos os países do G20.

“O Brasil já tava começando a decolar, nós fomos o que menos caiu, o que voltou mais rápido e o que tá crescendo mais rápido também”, disse. “A história de que o Brasil não vai crescer é narrativa política”, acrescentou.

A todo momento, Guedes afirmou ser um defensor do teto de gastos, mas que teria compreendido a ruptura de sua política para ajudar os mais pobres em uma medida que chamou de ‘popular e não populista’.

“Tem brasileiro passando fome, comendo osso. A mídia ficou batendo nisso aí três meses e como é que o presidente não vai fazer?”, questionou Guedes aos jornalistas.

O ministro então passou a defender o aumento no Auxílio Brasil, programa que irá substituir o Bolsa Família, atacando o PT e Lula.

“Tem muito populista ai, candidato a presidente da República, falando em 600, 700 e 800 reais. Mas eles quebraram o Brasil e não fizeram esse auxílio emergencial”, afirmou com Bolsonaro sorrindo ao fundo.

“Era muito fácil o presidente chegar e falar ‘Paulo Guedes vai embora pra casa que eu vou dar 600 reais pra todo mundo’. Isso é ser populista, mas ele não é populista, ele é popular, é diferente”, acrescentou acenando ao ex-capitão.

Empolgado, Guedes então passou a afirmar que o Brasil estará ‘explodindo de crescimento’ ao fim de 2021.

“A economia tá voltando com tudo. Eu recebo informações todo dia”, disse. “Esse final de ano o setor mais vulnerável nosso, que mais sofreu, que foi turismo, serviços e comércio, vai explodir de crescimento. O Brasil está crescendo”, completou.

Apesar de ter defendido que o País sofreu pouco com a crise, Guedes seguiu o exemplo de Bolsonaro e tentou se eximir da culpa pelos resultados ruins registrados no emprego e inflação.

“Como é que podemos jogar a culpa no presidente e no ministro se temos uma pandemia mundial?”, questionou.

Ao final, Bolsonaro interviu para concordar com o ministro.

“Aqueles que acham que derrubar o governo é o suficiente, apresente a solução, se for boa, o Paulo Guedes acolhe agora”, desafiou o presidente.

“Não estamos aqui lutando por eleições de 2022, não se toca nesse assunto, tanto é que nem partido eu tenho”, acrescentou o ex-capitão.

Bolsonaro foi então questionado por um jornalista sobre o orçamento secreto no seu governo e finalizou a conversa irritado.

“Não tem nada secreto no orçamento, se tá publicado não tem nada secreto. Pelo amor de Deus, se tá publicado como é que é secreto”, disse, subindo o tom antes de sair levando Guedes para longe da imprensa.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!