CartaExpressa,Política

Lula defende auxílio de R$ 600 e minimiza estratégia de Bolsonaro: ‘Vamos ganhar as eleições’

Lula defende auxílio de R$ 600 e minimiza estratégia de Bolsonaro: ‘Vamos ganhar as eleições’

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

O ex-presidente Lula voltou a defender, nesta quarta-feira 20, o pagamento de um auxílio de 600 reais por mês aos brasileiros vulneráveis. O petista participou virtualmente de uma reunião plenária da Central Única dos Trabalhadores.

“Reivindicamos um aumento do Bolsa Família para 600 reais. Vamos esquecer as eleições de 2022. O povo precisa comer, trabalhar, ter acesso à saúde”, declarou Lula. “A gente vai ganhar as eleições, e ele [o presidente Jair Bolsonaro] pode dar 600, 700, 800, porque não é ele quem está dando, é o próprio dinheiro do povo que está sendo devolvido – e depois volta como imposto, mais uma vez, ao Estado”.

Lula ainda afirmou que o presidente Bolsonaro “convive com as fake news, as mentiras dele e, quem sabe, com alguns milicianos mais próximos”.

“É esse o Brasil que herdamos do impeachment feito contra a Dilma Rousseff. Esse país do ódio, do desemprego, da volta da fome, da falta de respeito ao povo que trabalha. Esse país da descrença na política”.

Nesta quarta, o ministro da Cidadania, João Roma, disse que o Auxílio Brasil terá um reajuste permanente de 20% sobre os valores pagos atualmente via Bolsa Família. O novo benefício começará a ser disponibilizado no mês que vem.

Segundo Roma, haverá um “benefício transitório” até o fim de 2022 que garantirá o pagamento de pelo menos 400 reais. Em pronunciamento, porém, o ministro não explicou a fonte de custeio do programa.

“O programa permanente, que é o Auxílio Brasil, que sucede o Bolsa Família, tem um ticket médio. O programa permanente tem valores que oscilam. Vão desde valores abaixo de 100 reais até valores acima de 500 reais. Portanto, o programa, de modo geral, terá reajuste de 20%”, afirmou Roma.

Mais cedo, em entrevista à Rádio A Tarde, da Bahia, Lula disse que não importa se o programa será usado de forma eleitoreira por Bolsonaro.

“Estou vendo o Bolsonaro dizer agora que vai dar um auxílio emergencial de 400 reais que vai durar até o final do ano que vem. Tem muita gente dizendo que não se pode aceitar porque é um auxílio eleitoral. Não penso assim. Faz mais de cinco meses que o PT pediu um auxílio emergencial de 600 reais. Aliás, o PT mandou uma proposta para a Câmara de um novo Bolsa Família de 600 reais. O que nós queremos é que Bolsonaro dê um auxílio de 600 reais”.

 

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem