Política

‘Abin faz o seu trabalho’, diz Bolsonaro após PF apontar interferência da agência em investigação sobre seu filho

Presidente afirmou que não tem ‘influência’ sobre agência e que acusações contra Jair Renan devem ser investigadas

Foto: Reprodução
Apoie Siga-nos no

Após a Polícia Federal (PF) afirmar em um relatório que a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) atrapalhou uma investigação contra um dos seus filhos, o presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta terça-feira que não tem “influência” sobre a agência e que ela “faz o seu trabalho”.

Como o GLOBO mostrou, um integrante da Abin admitiu em depoimento que recebeu a missão de levantar informações de um episódio relacionado a Jair Renan, um dos filhos de Bolsonaro, que é investigado em um inquérito da PF.

Questionado sobre o relatório da PF, Bolsonaro inicialmente perguntar qual era a acusação contra seu filho e depois disse que o caso deve ser investigado:

— Investigue. Não compare meus filhos com os filhos do Lula. Vocês passaram anos sem falar do filho do Lula. Qualquer filho tem que ser investigado. Agora, pare de massacrar — disse o presidente, na saída de um evento do setor de comércio e serviços.

Depois, minimizou a atuação da Abin e afirmou que não saberia comentar:

— Não sei. Não tenho influência sobre a Abin, ela faz o seu trabalho.

Em nota sobre a reportagem do GLOBO, a União dos Profissionais de Inteligência de Estado da Abin (Intelis) afirmou que “a ação descrita não faz parte do rol de atribuições” da agência e que “os envolvidos citados não são profissionais de inteligência de carreira, mas, sim, servidores indicados ou cedidos de outro órgão, à época lotados na agência”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.