Mundo

Taleban reivindica ‘direito’ de reprimir protestos ‘ilegais’

Declaração ocorre em um momento em que cresce a preocupação com o desaparecimento de duas mulheres ativistas

O porta-voz do Taleban, Zabihullah Mujahid

Foto: Mohd RASFAN / AFP
O porta-voz do Taleban, Zabihullah Mujahid Foto: Mohd RASFAN / AFP
Apoie Siga-nos no

O novo poder taleban afegão se considera no direito de reprimir dissidentes e prender manifestantes “ilegais”, declarou seu principal porta-voz neste sábado (22), em um momento em que cresce a preocupação com o desaparecimento de duas mulheres ativistas.

Em entrevista à AFP, o porta-voz, Zabihullah Mujahid, negou que as duas mulheres tenham sido detidas, mas disse que as autoridades “têm o direito de prender e deter aqueles que infringirem a lei”.

“Ninguém deve provocar distúrbios, porque isso perturba a lei e a ordem”, alertou.

De acordo com ativistas feministas afegãs, as duas mulheres – Taman Zaryabi Paryani e Parwana Ibrahimkhel – foram presas esta semana em suas casas em Cabul depois de participar de uma manifestação.

A Missão das Nações Unidas no Afeganistão instou o governo a “fornecer informações” sobre o paradeiro de ambas, sem resultado até o momento.

Desde que chegou ao poder em agosto, facilitado pela retirada apressada das tropas norte-americanas, o Taleban recorreu à repressão para tentar conter os protestos, multiplicando os espancamentos de jornalistas e a prisão de críticos.

Nos últimos meses, houve algumas pequenas reuniões de mulheres, cujos direitos melhoraram durante os vinte anos em que o Taleban esteve fora do poder nesta nação muçulmana patriarcal.

Nenhum desses protestos foi autorizado, o que levou Zabihullah Mujahid a afirmar que “em qualquer país essas pessoas teriam sido presas”.

“Não permitimos atividades ilegais”, enfatizou o porta-voz do Emirado Islâmico do Afeganistão.

Funcionários “novatos”

O Taleban se absteve de adotar medidas em nível nacional que pudessem incomodar a comunidade internacional e bloquear o fluxo de fundos vindo do exterior para aqueles que precisam urgentemente de ajuda.

Mas as autoridades provinciais emitiram diretrizes e decretos baseados em interpretações locais da lei e tradições islâmicas que restringiram os direitos das mulheres.

As estudantes do ensino médio não puderam retornar às escolas nas províncias, onde muitas universidades fecharam, e as mulheres foram impedidas de trabalhar na administração pública.

As mulheres que fazem viagens longas também devem ser acompanhadas por um parente do sexo masculino, e placas nas ruas ordenam que usem a burca, um véu que cobre todo o rosto com uma rede de pano sobre os olhos.

Na província de Bagdis (noroeste), a polícia religiosa ameaçou atirar em mulheres que trabalham para ONGs se elas não usarem burca, informaram funcionários da entidade na sexta-feira.

Mujahid, que também ocupa o cargo de vice-ministro da Cultura e Informação, minimizou essas ameaças e intimidações, alegando que essas forças regionais eram compostas de “novatos (…) e não muito profissionais”.

“Eles não têm treinamento”, justificou.

Negociações na Noruega

Mujahid insiste que o novo regime apoia os direitos das mulheres, mas estes são interpretados à luz da lei islâmica.

“Mesmo sem essas exigências [da comunidade internacional], vemos a necessidade das mulheres trabalharem e receberem educação”, disse, sem adiantar uma data precisa para a reabertura dos centros educacionais.

Isso vai acontecer “no ano que vem”, mas “não podemos marcar uma data”, devido a problemas econômicos e à inexperiência das novas autoridades, explicou.

Uma delegação do governo taleban, chefiada pelo chanceler do Afeganistão, Amir Khan Muttaqi, viajou neste sábado à Noruega para se reunir entre segunda e quarta-feira com autoridades dos Estados Unidos, da União Europeia e de outras nações das quais espera apoio financeiro, bem como com representantes da sociedade civil afegã com a presença de mulheres.

Esta será a primeira visita do Taleban a um país ocidental desde que chegaram ao poder.

Desde então, a situação humanitária deteriorou-se visivelmente.

A ajuda internacional, que representava 80% do orçamento afegão, cessou e os Estados Unidos congelaram 9,5 bilhões de dólares que o Banco Central afegão tem no exterior.

A fome ameaça atualmente 23 milhões de afegãos, 55% da população, segundo a ONU, que pede 5 bilhões de dólares este ano para conter a crise.

“O Emirado Islâmico tomou medidas para atender às demandas do mundo ocidental e esperamos fortalecer as relações diplomáticas com todos os países”, concluiu Mujahid.

AFP

AFP
Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.