Mundo

Talebans agridem jornalistas em Cabul durante manifestação pelo direito das mulheres

‘Os talebans não respeitam nada, nem os jornalistas, nem as mulheres’, declarou Zahra Mohammadi, líder do movimento

Talebans agridem jornalistas em Cabul durante manifestação pelo direito das mulheres.

Foto: BULENT KILIC/AFP
Talebans agridem jornalistas em Cabul durante manifestação pelo direito das mulheres. Foto: BULENT KILIC/AFP

Os talebans agrediram vários jornalistas nesta quinta-feira 21, em Cabul, para tentar evitar a cobertura de uma manifestação pelos direitos das mulheres na capital do Afeganistão.

Um grupo de 20 mulheres caminhou das imediações do Ministério da Educação até o Ministério das Finanças. Elas usavam lenços coloridos na cabeça, gritavam frases como “não politizem a educação” e exibiram cartazes com lemas de protesto: “Não temos direito a estudar nem trabalhar” e “Sem trabalho, pobreza, fome”.

As autoridades talebans permitiram a passeata das mulheres durante uma hora e meia, segundo os correspondentes da AFP.

Repórteres tentavam fazer a cobertura do ato foram, no entanto, agredidos, ameaçados e perseguidos.

Um combatente taleban agrediu um jornalista estrangeiro com a coronha de um fuzil e expulsou-o do protesto. Outro foi ameaçado e recebeu chutes. Ao menos outros dois jornalistas foram agredidos, quando se afastavam para fugir dos combatentes talebans, que repetiram as ameaças.

As mulheres não foram atacadas fisicamente durante o protesto, mas, em várias ocasiões, sofreram repreensões verbais por parte dos talebans. As participantes optaram pela dispersão, e nenhuma delas foi detida, disse uma das organizadoras à AFP.

Zahra Mohammadi, uma das líderes do movimento, declarou que as mulheres decidiram sair às ruas, apesar do perigo que isto representa.

“Esta é a situação: os talebans não respeitam nada, nem os jornalistas – locais ou estrangeiros -, nem as mulheres”, declarou.

“As escolas devem reabrir para as meninas. Mas os talebans retiraram os nossos direitos”, completou.

As escolas do Ensino Médio para meninas estão fechadas há mais de um mês, e muitas mulheres foram proibidas de voltar ao trabalho desde que os talebans retomaram o poder, em meados de agosto passado.

“Minha mensagem para todas as meninas e mulheres é esta: ‘Não tenham medo dos talebans, inclusive se suas famílias não permitirem que saiam de casa. Não tenham medo. Saiam, façam o sacrifício, lutem por seus direitos”, disse Mohammadi.

Um grupo de 20 mulheres caminhou das imediações do Ministério da Educação até o Ministério das Finanças. Elas usavam lenços coloridos na cabeça, gritavam frases como “não politizem a educação”.
Foto: BULENT KILIC/AFP

“Temos que fazer este sacrifício para que a próxima geração possa ter paz”, completou.

Alguns combatentes que acompanhavam a passeata usavam equipamentos de combate, incluindo coletes à prova de bala e capacetes, enquanto outros usavam a indumentária afegã tradicional.

Eles estavam armados com fuzis M16, de fabricação americana, e AK-47.

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!