Taleban aumenta restrição sobre liberdade das mulheres

Ministério da Mulher será substituído por outro, famoso durante o passado regime taleban, com o objetivo de reforçar a doutrina religiosa

Membros do Taleban nas ruas de Cabul, capital do Afeganistão. Foto: Wakil Kohsar/AFP

Membros do Taleban nas ruas de Cabul, capital do Afeganistão. Foto: Wakil Kohsar/AFP

Mundo

As restrições do Taleban ao trabalho das mulheres no Afeganistão entraram em vigor nesta segunda-feira (20), gerando indignação pela perda de direitos para professoras e alunas do ensino médio.

Apesar de ter prometido uma versão mais branda de seu regime brutal e repressivo de 1996 a 2001, os fundamentalistas islâmicos estão aumentando seu controle sobre a liberdade das mulheres, um mês depois de assumir o poder no Afeganistão.

“Poderia estar morta”, diz uma mulher, expulsa de um cargo importante no ministério das Relações Exteriores. “Eu estava encarregada de um departamento inteiro e tinha muitas mulheres trabalhando comigo (…) Agora todas perdemos o emprego”, conta à AFP, pedindo anonimato por temer represálias.

O prefeito em exercício de Cabul declarou que os cargos municipais ocupados por mulheres agora terão que ser assumidos por homens.

Tudo isso no momento em que o ministério da Educação ordenou que professores e alunos do sexo masculino voltassem às escolas de ensino médio neste final de semana, mas sem falar nas milhões de professoras e alunas no país.

O Taleban fechou na sexta-feira o antigo ministério da Mulher, implementado pelo governo anterior, que será substituído por outro, já famoso durante o passado regime taleban, com o objetivo de reforçar a doutrina religiosa.

Muitas mulheres afegãs temem nunca mais trabalhar.

Governo sem mulheres

O novo governo do Taleban anunciou há duas semanas que não teria mulheres no gabinete.

As mulheres afegãs, embora ainda marginalizadas, fizeram progressos notáveis nos últimos 20 anos, tornando-se juízas, pilotos, deputadas ou policiais, embora a situação tenha ocorrido principalmente nas grandes cidades.

Centenas de milhares delas entraram no mercado de trabalho, muitas vezes forçadas como viúvas ou como apoio a maridos deficientes no contexto de duas décadas de conflito armado.

Mas desde seu retorno ao poder em 15 de agosto, o Taleban parece não querer preservar esses direitos.

Quando questionados, os líderes talebans dizem que as mulheres são sugeridas a ficar em casa para sua própria segurança, mas que terão permissão para trabalhar assim que as regras de separação estiverem em vigor.

“E quando isso vai acontecer?”, questionou uma professora nesta segunda. “Isso aconteceu da última vez. Disseram que poderíamos voltar a trabalhar, mas nunca aconteceu”, acrescenta.

Durante o último regime taleban, as mulheres foram amplamente excluídas da vida pública e não eram autorizadas a deixar suas casas, exceto na companhia de um parente do sexo masculino.

Na sexta-feira, em Cabul, o ministério para a Promoção da Virtude e Prevenção do Vício foi instalado no mesmo prédio que abrigava o antigo ministério da Mulher.

E no domingo, algumas mulheres protestaram brevemente do lado de fora do prédio, mas se dispersou quando os oficiais do Taleban apareceram.

Nenhum responsável do novo regime concordou em comentar esta situação.

Em Herat, uma autoridade do setor educacional insistiu que o retorno de alunas e professoras às escolas é uma questão de tempo e não de política.

“Não está claro quando isso vai acontecer: amanhã, na próxima semana, no próximo mês, não sabemos”, disse Shahabudin Saqib à AFP.

“Não depende de mim, porque tivemos uma grande revolução no Afeganistão”, acrescentou.

Os Estados Unidos expressaram “profunda preocupação” com o futuro das estudantes no Afeganistão.

“É essencial que todas as meninas, mesmo as mais velhas, possam retomar seus estudos sem mais atrasos”, disse a agência da ONU para crianças, Unicef.

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem