O que é o Estado Islâmico Khorasan, também conhecido como ISIS-K?

Fundado em 2015, o braço afegão do Estado Islâmico conta com as forças dos EUA e do Taleban como seus inimigos

O que é o Estado Islâmico Khorasan, também conhecido como ISIS-K?

Mundo

Pouco depois que um ataque a bomba no aeroporto de Cabul, no Afeganistão, que vitimou dezenas de pessoas na quinta-feira 26, incluindo pelo menos 13 soldados dos EUA e mais de 170 civis, o presidente norte-americano Joe Biden prometeu vingança.

“Não vamos esquecer”, disse Biden da Casa Branca. “Vamos caçá-lo e fazer você pagar.”

O grupo que reivindicou a autoria dos ataques, conhecido como ISIS-K, uma abreviação de Província de Khorasan do Estado Islâmico, é uma filiada afegã do grupo terrorista ISIS no Oriente Médio. 

Fundando em 2015 por dissidentes do Taleban paquistanês, o novo grupo adota uma versão mais violenta do que o Taleban, que acabou de derrubar o governo do Afeganistão apoiado pelos EUA após uma insurgência de duas décadas.

O ISIS-K “desconsidera as fronteiras internacionais”, de acordo com um relatório do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais, “e visualiza seu território transcendendo estados-nação como o Afeganistão e o Paquistão”.

Khorasan, traduzido como “A Terra do Sol” se refere a uma região histórica que inclui partes do Irã, Afeganistão e Paquistão, de acordo com o Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais.

As diversas organizações terroristas que travaram guerra contra as forças e aliados dos EUA estão interligadas e, por muitas vezes, competem entre si pela supremacia.

A facção separatista Estado Islâmico, ISIS, é experiente em mídia social e começou a se especializar em uma abordagem cinematográfica da brutalidade.

O ISIS apelou para uma geração mais jovem de lutadores, em parte pela promessa de glória e recompensas imediatas para aqueles dispostos a lutar contra seus inimigos.

Em 2015, o ISIS anunciou que havia aceitado a fidelidade de uma nova filial na região de Khorasan.

Como outros grupos terroristas, o ISIS-K tem como alvo as forças dos EUA, seus aliados e civis. Mas, ao contrário dos outros, o ISIS-K lutou abertamente com outras organizações islâmicas extremistas, como o Taleban.

O ISIS-K tem sido o principal opositor do Taleban. Os dois grupos lutaram por território, particularmente no leste do Afeganistão.

Desde 2017, dizem os especialistas, o ISIS-K foi responsável por cerca de 250 confrontos com as forças de segurança dos EUA, Afeganistão e Paquistão.

Mais recentemente, os líderes do ISIS-K denunciaram a tomada do Afeganistão pelo Taleban, dizendo que a versão do grupo do governo islâmico era muito brando.

Conflito EUA e o ISIS

Em outubro de 2019, o presidente Trump anunciou a morte de Abu Bakr al-Baghdadi, afirmando que ele era “o fundador e líder do ISIS, a organização terrorista mais cruel e violenta em qualquer lugar do mundo”.

O ex-presidente norte-americano chegou a anunciar o fim do grupo extremista em março de 2019. 

No entanto, antes da morte do suposto líder, a organização já havia se expandido, dando aos seus seguidores, liberdade de ação.  O ISIS encorajou os seguidores a agirem sozinhos ou em pequenos grupos. Hassan Abu Hanieh, especialista jordaniano em grupos extremistas, disse na época que “livrar-se do líder não significa livrar-se da organização”.

O ISIS, advertiu ele, “criou uma nova estrutura menos centralizada e continuará, mesmo sem al-Baghdadi”.

Em 2016, um ano após sua fundação, o ISIS-K estava em seu tamanho máximo, com cerca de 3.000 a 4.000 seguidores, de acordo com estimativas de analistas.

Esse número foi reduzido pela metade depois que o grupo foi alvo de ataques aéreos americanos e ataques de comandos afegãos.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem