Mundo

Afeganistão: Explosão perto do aeroporto de Cabul deixa mais de 10 mortos

Algumas horas após a explosão, o Pentágono confirmou que governos ocidentais haviam alertado sobre possível ameaça de segurança no local

Afegãos sobem em um avião em Cabul. Milhares se aglomeraram no aeroporto da cidade tentando fugir do Talibã (Foto: Wakil Kohsar / AFP)
Afegãos sobem em um avião em Cabul. Milhares se aglomeraram no aeroporto da cidade tentando fugir do Talibã (Foto: Wakil Kohsar / AFP)
Apoie Siga-nos no

Na manhã desta quinta-feira 26, uma explosão foi registrada nas proximidades do aeroporto de Cabul, anunciou o porta-voz do Pentágono, John Kirby.

Algumas horas após a explosão, o Pentágono confirmou que governos ocidentais haviam alertado sobre possível ameaça de segurança no local. 

“Podemos confirmar uma explosão fora do aeroporto de Cabul”, disse John Kirby, o secretário de imprensa do Pentágono, em um post no Twitter.

Segundo a CNN, são mais de 10 mortes confirmadas.

Os primeiros relatórios indicaram que a explosão foi causada por pelo menos um homem-bomba vestindo um colete explosivo.

Em outros lugares da cidade, disparos esporádicos e alarmes puderam ser ouvidos do aeroporto.

Desde a tomada a cidade pelo Taleban, no início de agosto, milhares de civis afegãos e cidadãos estrangeiros se reuniram no aeroporto, numa tentativa de serem transportados para fora do País. 

A área fora do aeroporto tinha sido o local do caos durante a semana, enquanto as pessoas se esforçavam para conseguir voos de evacuação.

Um alto funcionário dos EUA havia alertado na noite de quarta-feira 25  sobre uma ameaça “específica” e “crível” de uma afiliada do Estado Islâmico contra o aeroporto.

Apesar de um aviso específico de um ataque iminente, ainda seria muito difícil identificar um homem-bomba com um colete de explosivos escondido em uma enorme multidão no portão do aeroporto, disseram oficiais militares.

A embaixada dos Estados Unidos advertiu os americanos para ficarem longe do aeroporto, citando ameaças de segurança não identificadas. Os governos britânico e australiano emitiram avisos semelhantes.

Antes da explosão, Bélgica, Holanda e Dinamarca disseram que não seriam mais capazes de facilitar o transporte aéreo do Aeroporto Internacional Hamid Karzai, que tem seções civis e militares, depois que as preocupações foram levantadas sobre a segurança.

O Pentágono prometeu que o transporte aéreo civil dos EUA continuaria. “Continuaremos a evacuar o máximo de pessoas que pudermos até o final da missão”, afirmou Kirby.

No entanto, disse, os EUA dariam maior prioridade ao transporte de tropas e equipamentos americanos nos últimos dias da missão.

A possível explosão veio no momento em que de cerca de 1.500 americanos e inúmeros outros estrangeiros que ainda estão no Afeganistão tentam chegar ao aeroporto antes do prazo de retirada dos EUA.

Milhares de cidadãos afegãos estavam acampados fora do perímetro do aeroporto em tentativas de fuga nos últimos voos, alguns com documentos que os autorizavam a partir.

(Com agências internacionais)

Marina Verenicz
Repórter do site de CartaCapital

Tags: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.