Mundo

O papel de Cristina Kirchner no novo governo, caso Massa vença Milei no 2º turno

O peronista enfrentará em 19 de novembro o ultradireitista Javier Milei

Apoiador de Sergio Massa com uma bandeira de Cristina Kirchner, em 22 de outubro de 2023. Foto: Juan Mabromata/AFP
Apoie Siga-nos no

O ministro da Economia e candidato à Presidência da Argentina, Sergio Massa, foi questionado nesta terça-feira 24 sobe o papel que a vice-presidenta Cristina Kirchner, a principal liderança peronista, teria em seu eventual governo.

“Cristina escolheu um papel mais distante na sua vida política, de olhar de fora da vida pública”, disse Massa em entrevista ao canal eltrece. “Ela está na vida pública há muitos anos e me parece que é sua própria decisão.”

Ele indicou, portanto, que não espera contar com a ex-presidenta em um cargo de destaque de sua eventual gestão.

Massa disputará em 19 de novembro o segundo turno da eleição contra o ultradireitista Javier Milei. Confira os números do primeiro turno, realizado no último domingo:

  • Sergio Massa: 36,68%;
  • Javier Milei: 29,98%;
  • Patricia Bullrich: 23,83%;
  • Juan Schiaretti: 6,78%; e
  • Myriam Bregman: 2,7%.

Em outro momento do programa Telenoche, o entrevistador disse a Massa que Cristina e o presidente Alberto Fernández estiveram ausentes da campanha eleitoral. “A campanha foi sua”, resumiu o jornalista.

“E o governo também será meu. O presidente sou”, acrescentou Massa. “Quem me conhece sabe que não tenho chefes. Meu único chefe a partir de 10 de dezembro será todo o povo argentino.”

Questionado sobre Milei, Massa afirmou que “propor coisas impossíveis às pessoas é um grande erro”.

“Falar de dolarização sem ter autorização dos donos dos dólares é como eu falar em vender jogadores do Boca [Juniors] sem que o Boca tenha me dado autorização”, ironizou o candidato do peronismo.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo