CartaExpressa

O incômodo de Alberto Fernández com uma pergunta após votar na Argentina

O presidente não concorre à reeleição e apoia Sergio Massa no pleito deste domingo 22

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, ao votar, em 22 de outubro de 2023. Foto: Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

O presidente da Argentina, Alberto Fernández, se incomodou com a pergunta de uma jornalista sobre o que fará após o fim de seu mandato, em dezembro. Ele não concorre à reeleição e apoia Sergio Massa no pleito deste domingo 22.

Fernández registrou seu voto nesta manhã, em Puerto Madero, na cidade de Buenos Aires. Ao deixar a seção, foi instado por uma repórter a fazer uma “autocrítica” de seu governo, mas disse que não responderia, devido a restrições da legislação eleitoral.

Insatisfeita com a resposta, a jornalista insistiu e perguntou sobre o que Fernández faria depois de empossar seu sucessor e se ele se retiraria da política.

“Isso não importa”, devolveu o presidente, a fim de encerrar o assunto. “Outra pergunta?”, emendou.

Os três principais postulantes à Casa Rosada são:

  • Javier Milei, do partido La Libertad Avanza, representante da ultradireita;
  • Sergio Massa, do Unión por la Patria, ministro da Economia e candidato do peronismo; e
  • Patricia Bullrich, do Juntos por el Cambio, aliada do ex-presidente Mauricio Macri.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.