Mundo

Líderes europeus, Putin e Biden parabenizam Macron pela reeleição na França

Em seu discurso, Macron afirmou que seus eleitores ‘escolheram um projeto humanista e ambicioso para a independência do país e da Europa’

Foto: Ludovic MARIN / AFP
Foto: Ludovic MARIN / AFP
Apoie Siga-nos no

Em seu discurso de vitória, o presidente reeleito da França, Emmanuel Macron, afirmou que seus eleitores “escolheram um projeto humanista e ambicioso para a independência do país e da Europa”. Depois de dois meses de guerra na Ucrânia, a União Europeia respirou aliviada com o resultado do segundo turno das eleições presidenciais na França.

A vitória de Emmanuel Macron, do partido República em Marcha, para um segundo mandato foi considerada uma vitória da Europa democrática por Bruxelas. O presidente Macron se define como “apaixonadamente francês e decididamente europeu”, e tem afirmado que a Europa está no seu DNA.

Ele representa o contrário de sua adversária política, a candidata da extrema-direita, Marine Le Pen, que se fosse eleita tentaria a reforma do bloco para transformá-lo em uma simples aliança de nações europeias em que a soberania de cada Estado deveria ser respeitada – o que provavelmente seria o fim da União Europeia.

Um dos primeiros líderes a parabenizar Emmanuel Macron foi o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, que enviou “um caloroso bravo” ao presidente francês. “Neste período atormentado, precisamos de uma Europa sólida e de uma França totalmente engajada por uma União Europeia mais soberana e mais estratégica. Podemos contar com a França por mais 5 anos”, reforçou. Logo em seguida, foi a vez da presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, escrever no Twitter: “Eu me alegro em poder continuar nossa excelente cooperação. Juntos, levaremos a França e a Europa adiante”.

Líderes europeus felicitam Macron

Chefes de Estado e de governo da UE reagiram com a certeza de que a Europa saiu fortalecida com a reeleição de Macron. O chanceler alemão, Olaf Scholz, dirigiu-se diretamente ao presidente reeleito. “Os seus eleitores enviaram hoje um voto de confiança na Europa. Anseio pela nossa boa e contínua cooperação.” O primeiro-ministro belga e aliado de Macron, Alexander De Croo, afirmou que “os franceses fizeram uma escolha forte ao optarem pelos valores do Iluminismo”.

Para o chefe do governo espanhol, Pedro Sanchez, “a democracia e a Europa ganharam” com o resultado deste domingo. “Notícia maravilhosa para toda a Europa”, felicitou o chefe do governo italiano, Mario Draghi. Apesar da Grã-Bretanha não mais integrar o bloco europeu, o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, parabenizou Emmanuel Macron em inglês e francês. Após se referir à França como “um de nossos aliados mais próximos e mais importantes”, Johnson afirmou estar “ansioso para continuar trabalhando juntos em questões-chave para os dois países e para o mundo”.

Macron continuará priorizando a Europa

Ninguém duvidava que o resultado das urnas no segundo turno das eleições presidenciais na França teria um impacto enorme e direto no futuro da União Europeia. A certeza de que a segunda maior economia do bloco será governada, nos próximos cinco anos, por um ferrenho defensor da Europa ameniza os humores em Bruxelas, mas os 42% de votos da candidata do partido Reunião Nacional, Marine Le Pen, acende o alerta de que a extrema-direita ganha fôlego no continente.

No segundo mandato, Macron terá muito mais desafios, mas não abre mão de construir uma nova ordem de segurança e estabilidade para o continente europeu e exigir “um rearmamento estratégico” da Europa “com poder de paz e equilíbrio, em particular no diálogo com a Rússia”. Para o chefe de Estado francês, a soberania europeia deve ser um “imperativo”; ou seja, o bloco deve ter a capacidade de proteger seus cidadãos, sem ficar sujeito às prioridades de outros países. A França é a única potência nuclear da União Europeia.

Novo encontro com Putin não está descartado

Quando, em 1º de janeiro o presidente francês assumiu o comando da presidência rotativa da União Europeia, que termina no dia 30 de junho, ele não poderia imaginar que uma guerra eclodiria em plena Europa. Macron foi o único líder europeu que se reuniu e tentou dialogar com o presidente russo, Vladimir Putin, em Moscou.

Durante sua campanha presidencial, ele disse que não descartaria um novo encontro com Putin. “Interromper o diálogo com Putin significaria deixar as negociações para outras potências como a Turquia e a China”, explicou. Agora, com sua reeleição e com a decisão da Europa de colocar um ponto final na dependência energética do gás e petróleo da Rússia, Macron prometeu mais investimentos em energia nuclear e chegar à neutralidade de carbono até 2050.

Emmanuel Macron terá cinco anos para provar a aposta que os franceses fizeram ao reelegê-lo. Nesta segunda-feira (25), um dia após a eleição, o presidente Vladimir Putin enviou uma mensagem para Emmanuel Macron para parabenizá-lo pela vitória – sinal de que o chefe de Estado russo estaria disposto a manter o diálogo.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, também telefonou para Macron. “Desejo muito sucesso pelo bem do povo francês. Aprecio seu apoio e estou convencido de que avançamos para novas vitórias, em direção a uma Europa forte e unida!”, acrescentou.

Para Biden, Macron é parceiro “chave”

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, também parabenizou neste domingo (24) o presidente francês pela reeleição, referindo-se à França como “um parceiro chave diante dos desafios globais”.

“Espero seguir com nossa estreita e contínua cooperação, incluindo o apoio à Ucrânia, a defesa da democracia e a luta contra as mudanças climáticas”, declarou. “Estamos impacientes para manter nossa cooperação com a França a respeito de desafios mundiais, reforçando nossa aliança e amizade”, escreveu, em um tuíte, o secretário de Estado americano, Antony Blinken.

(RFI e AFP)

RFI

RFI
Rádio pública francesa que produz conteúdo em 18 línguas, inclusive português. Fundada em 1931, em Paris.

Tags: , , , , , , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.