Mundo

Primeiro-ministro belga chama lei húngara sobre LGBT de ‘medieval’

Outros líderes da União Europeia já se pronunciaram contra a lei promovida pelo partido do primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban

Foto: Aris Oikonomou /AFP
Foto: Aris Oikonomou /AFP
Apoie Siga-nos no

Assimilar a homossexualidade à pedofilia “é um raciocínio quase medieval”, declarou neste sábado 26 o primeiro-ministro belga, Alexander de Croo, ao comentar a polêmica lei húngara que proíbe a divulgação de conteúdos sobre homossexualidade entre menores de idade.

Vários líderes da União Europeia se pronunciaram contra a lei promovida pelo partido do primeiro-ministro húngaro, Viktor Orban, durante uma reunião de cúpula na quinta-feira e sexta-feira em Bruxelas.

O chefe de Governo da Bélgica afirmou que durante a reunião, o primeiro-ministro de Luxemburgo, Xavier Bettel, casado com um homem, falou a Orban “sobre sua própria experiência, sua homossexualidade (…) e de todas as ansiedades que viveu quando criança”.

“Naturalmente ele se sentia humilhado e é normal, com essa lei que assimila o fato de ser homossexual com a pedofilia. Isto é claramente um raciocínio quase medieval”, disse o governante belga.

A lei considera discriminatória contra as pessoas LGBT foi aprovada em 15 de junho e estipula que “a pornografia e os conteúdos que representam a sexualidade ou promovem o desvio da identidade de gênero, a mudança de sexo ou a homossexualidade não devem ser acessíveis para menores de 18 anos”.

AFP

AFP
Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Tags: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.