Itamaraty declara diplomatas venezuelanos como “personae non gratae”

Em comunicado, Ministério das Relações Exteriores determinou que representantes de Nicolás Maduro não são 'bem-vindos'

O presidente Jair Bolsonaro durante encontro com o autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, no Palácio do Planalto. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

O presidente Jair Bolsonaro durante encontro com o autoproclamado presidente interino da Venezuela, Juan Guaidó, no Palácio do Planalto. Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Mundo

O governo do presidente Jair Bolsonaro declarou os representantes da Venezuela no Brasil como “personae non gratae“, segundo comunicado do Itamaraty nesta sexta-feira 4. O termo significa que os profissionais estrangeiros não são mais bem-vindos ao território.

 

 

A declaração inclui representantes diplomáticos, consulares e administrativos do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro. A designação não equivale à expulsão ou outra medida de retirada compulsória, mas confere ao poder venezuelano a prerrogativa de retirá-los no Brasil.

Os profissionais estão autorizados a permanecer no território brasileiro, mas sem status diplomático ou consular, nem imunidades e privilégios correspondentes, diz o Ministério das Relações Exteriores.

Em nota, o governo brasileiro diz considerar o governo de Maduro como “regime ilegítimo”. O Brasil já havia retirado os diplomatas brasileiros da Venezuela em março. No mês seguinte, notificou os representantes de Maduro para que abandonassem o território brasileiro, mas isso não ocorreu.

Maduro foi eleito como presidente da Venezuela em 2013, como sucessor político de Hugo Chávez, que morreu naquele ano.

Em 2018, foi reeleito, mas não teve o seu mandato reconhecido pelo Grupo de Lima, bloco político criado no Peru para tratar de questões relacionadas à Venezuela e formado por governantes opositores ao chavismo.

Para o governo brasileiro, Juan Guaidó é o presidente legítimo da Venezuela. O deputado se autoproclamou chefe do Executivo em 2019, sem eleições.

 

Responda nossa pesquisa e nos ajude a entender o que nossos leitores esperam de CartaCapital

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Repórter do site de CartaCapital

Compartilhar postagem