Brasil retira todos os diplomatas e funcionários da Venezuela

O Brasil integra o grupo de países que consideram ilegítimo o governo de Maduro e reconhecem Juan Guaidó como presidente

Brasil retira todos os diplomatas e funcionários da Venezuela

Mundo,Política

O governo brasileiro determinou a saída de todos os seus diplomatas e funcionários do serviço exterior na Venezuela, ao mesmo tempo em que notificou o governo de Nicolás Maduro a retirar todos os seus representantes em território brasileiro, informaram nesta quinta-feira 5 fontes do governo.

“Todos os funcionários do serviço exterior brasileiro foram retirados. Não restará ninguém em toda a Venezuela”, informou a fonte, depois de publicada nesta quinta-feira no Diário Oficial a retirada de quatro diplomatas e uma dezena de funcionários de sua embaixada e seus consulados na Venezuela.

O Brasil integra o grupo de cerca de 50 países que consideram ilegítimo o governo de Maduro e reconhecem o líder opositor Juan Guaidó como presidente interino.

O governo brasileiro também reconhece a embaixadora designada por Guidó no Brasil, María Teresa Belandria.

O Itamaraty notificou a “retirada” dos diplomatas da embaixada e dos consulados em Caracas e Ciudad de Guayana, e do vice-consulado de Santa Elena del Uairén, na fronteira com Roraima, segundo o Diário Oficial.

Entre os diplomatas envolvidos estão o chefe da embaixada em Caracas, Rodolfo Braga, e a cônsul-geral na capital venezuelana, Elza Moreira Marcelino de Castro.

O Itamaraty também determinou a saída de onze funcionários, incluindo seis da embaixada e do consulado da capital.

A data da saída do pessoal não foi revelada, mas segundo a imprensa brasileira, o processo de saída deve durar dois meses.

A medida foi acompanhada de uma notificação ao governo Maduro, qualificado de “ditadura” pelo presidente Jair Bolsonaro, para que retire os diplomatas venezuelanos do Brasil.

Ao menos 10 mil brasileiros vivem no território venezuelano, onde dependem do serviço consular brasileiro para a emissão de documentos.

Segundo um funcionário do Itamaraty, “ainda está em análise como o governo brasileiro prestará assistência consultar” a estes cidadãos.

Nas últimas semanas, Maduro acusou Bolsonaro de arrastar das Forças Armadas do Brasil “para um conflito armado contra a Venezuela”, e realizou exercícios militares em meados de fevereiro.

O líder chavista se referia ao ataque realizado por militares desertores contra um destacamento da Força Armada venezuelana no estado de Bolívar, na fronteira com o Brasil, no dia 22 de dezembro. Após o incidente, cinco militares venezuelanos pediram refúgio no Brasil.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Agência de notícias francesa, uma das maiores do mundo. Fundada em 1835, como Agência Havas.

Compartilhar postagem