Mundo

Hungria derruba o último obstáculo à entrada da Suécia na Otan

Após adiar por 18 meses a decisão, o Parlamento húngaro aprovou a adesão. A Suécia que será o 32º membro da aliança

Foto: KENZO TRIBOUILLARD/AFP via Getty Images
Apoie Siga-nos no

A Hungria aprovou, nesta segunda-feira 26, a entrada da Suécia na Organização do Tratado do Atlântico Norte, a Otan.

O aval húngaro era o último obstáculo ao ingresso de seu vizinho nórdico na entidade militar. A decisão foi tomada com 188 votos a favor e seis contra, após um adiamento da votação por mais de 18 meses.

Para integrar a Otan, um país tem de receber a aprovação de todos os demais membros da organização.

O primeiro-ministro sueco, Ulf Kristersson, classificou esta segunda-feira como um dia histórico. “Estamos prontos para assumir a nossa parte de responsabilidade pela segurança da Otan”, escreveu nas redes sociais.

O chefe da organização, Jens Stoltenberg, disse que a aliança militar será “mais forte”.

“Agora que todos os aliados aprovaram, a Suécia se tornará o 32º aliado da Otan”, celebrou o secretário-geral no X.

O chefe do governo alemão, Olaf Scholz, avaliou que a entrada da Suécia fortalecerá “a segurança da Europa e do mundo”.

A adesão sueca aguarda somente a assinatura do presidente da Hungria, o que deve acontecer nos próximos dias.

A Suécia se tornará o 32º membro da aliança militar, formada ainda no contexto da Guerra Fria, em 1949. O país nórdico, neutro militarmente por 200 anos, somente se candidatou a membro da Otan após o início do conflito entre Ucrânia e Rússia, em fevereiro de 2022.

Sua entrada no tratado está relacionada à obrigatoriedade de proteção dos países membros pelos demais integrantes em caso de um ataque armado.

Isso poderá, contudo, retirar da Suécia o poder pacificador em conflitos mundiais e sua liderança pelo desarmamento nuclear.

Atualmente, fazem parte da aliança:

  • Albânia (2009)
  • Alemanha (1955)
  • Bélgica (1949)
  • Bulgária (2004)
  • Canadá (1949)
  • República Checa (1999)
  • Croácia (2009)
  • Dinamarca (1949)
  • Eslováquia (2004)
  • Eslovênia (2004)
  • Espanha (1982)
  • Estados Unidos (1949)
  • Estônia (2004)
  • Finlândia (2023)
  • França (1949)
  • Grécia (1952)
  • Holanda (1949)
  • Hungria (1999)
  • Islândia (1949)
  • Itália (1949)
  • Letônia (2004)
  • Lituânia (2004)
  • Luxemburgo (1949)
  • Macedônia do Norte (2020)
  • Montenegro (2017)
  • Noruega (1949)
  • Polônia (1999)
  • Portugal (1949)
  • Reino Unido (1949)
  • Romênia (2004)
  • Turquia (1952)

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo