Mundo

Trump compara governo Biden com a Gestapo nazista

Diante de uma plateia composta por líderes e doadores republicanos, Donald Trump acusou os democratas de “liderar uma administração no estilo da Gestapo”

Ex-presidente Donald Trump durante comício em 2 de abril. Foto por Alex Wroblewski / AFP
Apoie Siga-nos no

O ex-presidente republicano Donald Trump intensificou suas acusações de que a administração de seu sucessor democrata Joe Biden utilizou a Justiça em seu benefício, comparando-a com a Gestapo, a polícia política da Alemanha nazista, segundo foi informado pela mídia americana.

Trump, que aspira voltar à Casa Branca após as eleições de novembro, fez essas declarações no sábado durante uma reunião com líderes de seu partido em sua propriedade em Mar-a-Lago, na Flórida (sudeste), de acordo com uma gravação de áudio fornecida à imprensa por um doador de campanha.

Diante de uma plateia composta por líderes e doadores republicanos, ele acusou os democratas de “liderar uma administração no estilo da Gestapo” e atacou novamente os promotores que investigam os casos criminais contra ele.

Alvo de quatro processos criminais diferentes, incluindo um no qual está sendo julgado desde 15 de abril em Nova York por um suposto pagamento para comprar o silêncio de uma ex-atriz pornô, Trump repetidamente denuncia uma “caça às bruxas” arquitetada pela administração Biden para tirá-lo da corrida presidencial de novembro.

A campanha de Biden respondeu em um comunicado neste domingo, dizendo que os ataques do magnata republicano apenas confirmam que “a campanha de Trump gira apenas em torno dele, de sua raiva, sua vingança e suas mentiras”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo