Mundo

Hamas diz querer cessar-fogo completo com Israel em Gaza

O primeiro-ministro catari anunciou que um marco para pôr fim aos combates será transmitido ao grupo palestino

Registro de bombardeio israelense contra a Faixa de Gaza em 24 de janeiro de 2024. Foto: Jack Guez/AFP
Apoie Siga-nos no

O Hamas quer negociar um “cessar-fogo completo” com Israel na Faixa de Gaza, disse à AFP, nesta segunda-feira 29, um alto dirigente do movimento islamista palestino.

“Falamos antes de tudo de um cessar-fogo completo e total e não de uma trégua temporária”, disse Taher al Nunu.

Quando os combates cessarem, será possível “falar do restante dos detalhes”, inclusive da libertação dos reféns, acrescentou.

O primeiro-ministro catari anunciou, nesta segunda-feira, em Washington, que um marco para pôr fim aos combates em Gaza será transmitido ao Hamas.

A AFP desconhece se o representante do Hamas reagiu ao marco em questão.

Juntamente com Egito e Estados Unidos, o Catar tem liderado os esforços de mediação desde o início da guerra entre Israel e o Hamas, em 7 de outubro.

O chefe da Inteligência americana, William Burns, se reuniu no domingo com altos funcionários egípcios, israelenses e cataris em Paris para negociar uma trégua no devastado território palestino.

O premiê catari, xeque Mohamed bin Abdulrahman Al Thani, disse à emissora de TV americana NBC que nesta semana foram feitos “avanços significativos”.

O conflito em Gaza começou após os ataques mortais do grupo islamista palestino no sul de Israel, que deixaram 1.140 mortos, a maioria civis, segundo um balanço com base em números israelenses.

Os milicianos islamistas também sequestraram nesse dia cerca de 250 pessoas, das quais 132 seguem retidas em Gaza, incluindo os corpos de 28 que teriam morrido, segundo Israel.

Em retaliação ao ataque, Israel prometeu “aniquilar” o movimento islamista e lançou uma vasta operação em Gaza, que até agora deixou 26.637 mortos, a grande maioria mulheres, crianças e adolescentes, segundo o Hamas.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo