Mundo

Grupos armados roubaram quase US$ 70 milhões do Banco da Palestina em Gaza, segundo jornal francês

Funcionários da agência descobriram em 16 de abril que foi feito um buraco no teto do cofre

Palestinos inspecionam destroços no hospital Al Shifa após operação militar israelense. Foto: AFP
Apoie Siga-nos no

Grupos armados palestinos, incluindo um supostamente ligado ao movimento islamista Hamas, roubaram quase 70 milhões de dólares de várias agências bancárias em Gaza no mês passado, informou o jornal Le Monde neste sábado (4).

O jornal francês teve acesso a um documento transmitido pelo Banco da Palestina a “alguns parceiros internacionais”, no qual descreve roubos espetaculares, como o que ocorreu na sua principal agência na Cidade de Gaza.

Funcionários da agência descobriram em 16 de abril “que foi feito um buraco no teto do cofre”, explica o jornal, acrescentando que “os criminosos levaram caixas eletrônicos que continham o equivalente a 3 milhões de dólares em shekels israelenses.

No dia seguinte, 17 de abril, “grupos armados equipados com explosivos voltaram a entrar no edifício”, explodiram uma cobertura de cimento e levaram o equivalente a 30 milhões de dólares “em diferentes moedas”, acrescenta o jornal.

A maior filial no centro da Cidade de Gaza foi atacada em 18 de abril por um “comando” de homens que afirmaram responder às “mais altas autoridades de Gaza” que, segundo o jornal, correspondem ao Hamas. Nesse ataque, foram levados shekels no valor equivalente a mais de 36 milhões de dólares.

O Hamas, em guerra contra Israel, governa Gaza desde 2007.

O Banco da Palestina, fundado em 1960, é a principal instituição financeira de Gaza.

A Autoridade Monetária Palestina, um órgão independente que supervisiona o sistema financeiro nos territórios palestinos, disse à AFP que planeja emitir uma declaração sobre o assunto neste sábado.

ENTENDA MAIS SOBRE: , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo