Mundo

Governos usaram sistema israelense para espionar jornalistas, políticos e ativistas

Ao todo, mais de 50 mil pessoas em foram monitoradas em pelo menos 50 países

Foto: Sajjad HUSSAIN / AFP
Apoie Siga-nos no

Uma empresa israelense acusada de fornecer um software espião a governos foi vinculada ao vazamento de uma lista de 50 mil números de telefone de ativistas, jornalistas, executivos de empresas e políticos de todo o mundo, segundo uma investigação divulgada no domingo 18.

O NSO Group de Israel e seu malware Pegasus ocupam manchetes desde 2016, quando investigadores o acusaram de ajudar a espionar um dissidente nos Ecelularmirados Árabes.

O alcance do uso do Pegasus foi noticiado por The Washington Post, The Guardian, Le Monde e outros veículos de comunicação que colaboraram na investigação sobre um vazamento de dados referente a mais de 50.000 números de telefone que acredita-se terem sido identificados como pertencentes a pessoas de interesse por clientes do NSO desde 2016, segundo as publicações.

O Washington Post indicou que a lista foi compartilhada com a imprensa pela organização jornalística sem fins lucrativos Forbidden Stories, baseada em Paris, e pela Anistia Internacional. Segundo o jornal, o número total de celulares atacados ou vigiados é desconhecido.

A lista inclui números de telefone de jornalistas de veículos de todo o mundo, como AFP, The Wall Street Journal, CNN, The New York Times, Al-Jazeera, France 24, Radio Free Europe, Mediapart, El País, Associated Press, Le Monde, Bloomberg, The Economist, Reuters e Voice of America, informou o The Guardian.

O Post informou que 15.000 números de telefone estavam no México e afetavam políticos, líderes sindicais, jornalistas e críticos do governo.

A lista inclui o número de um jornalista independente mexicano que foi assassinado posteriormente em um lava-jato. Seu telefone nunca foi encontrado e não está claro se ele foi hackeado.

Os serviços de segurança marroquinos utilizaram o software espião para atacar quase 30 jornalistas e executivos de grupos de comunicação franceses, segundo a investigação.

O uso do software para hackear telefones dos repórteres da Al-Jazeera e de um jornalista marroquino havia sido relatado anteriormente pelo Citizen Lab, centro de pesquisas da Universidade de Toronto, e pela Anistia Internacional.

Também estão listados dois números pertencentes a mulheres próximas do jornalista saudita Jamal Khashoggi, morto por um esquadrão saudita em 2018.

Espião de bolso

Segundo o Washington Post, os números da lista não aparecem com identificação, mas os veículos de comunicação que participam do projeto conseguiram identificar mais de mil pessoas de mais de 50 países, entre elas membros de famílias reais árabes, 65 executivos de empresas, 85 ativistas de direitos humanos, 189 jornalistas e mais de 600 políticos e funcionários públicos, incluindo chefes de Estado e de governo e ministros.

De acordo com as informações, muitos números da lista estão concentrados em 10 países: Azerbaijão, Bahrein, Hungria, Índia, Cazaquistão, México, Marrocos, Ruanda, Arábia Saudita e Emirados Árabes.

O Pegasus, destaca a investigação, é uma ferramenta extremamente invasiva, que pode ligar a câmera e o microfone do celular, bem como acessar dados do dispositivo, convertendo-o em um espião de bolso.

Em alguns casos, ele pode ser instalado sem a necessidade de enganar o usuário para que ele realize um download.

Em comunicado divulgado no domingo, o NSO afirma que o relatório da Forbidden Stories está “repleto de suposições errôneas e teorias infundadas” e ameaça entrar com um processo de difamação contra a organização.

“Como o NSO declarou anteriormente, nossa tecnologia não está, de forma alguma, relacionada ao assassinato hediondo de Jamal Khashoggi”, assinalou a empresa.

“Gostaríamos de enfatizar que o NSO vende suas tecnologias apenas para agências policiais e de inteligência de determinados governos, com o único propósito de salvar vidas, mediante a prevenção de crimes e atos terroristas”, observou o grupo.

O Citizen Lab informou em dezembro que dispositivos móveis de mais de três dezenas de jornalistas da rede Al-Jazeera, do Catar, haviam sido atacados pelo Pegasus.

A Anistia Internacional comunicou em junho do ano passado que autoridades marroquinas usaram o malware do NSO para inserir um software espião no celular de Omar Radi, jornalista condenado por uma postagem nas redes sociais. Naquela época, o NSO disse à AFP que estava “profundamente preocupado com as acusações” e que analisava a informação.

Fundado em 2010 pelos israelenses Shalev Hulio e Omri Lavie, o NSO tem sede no centro de alta tecnologia israelense de Herzliya, perto de Tel Aviv, e emprega centenas de pessoas em Israel e ao redor do mundo.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo