…

O caso Khashoggi e o serviço de inteligência israelense

Blogs,Diálogos da Fé,Diversidade

Omar Abdulaziz, jovem saudita de 27 anos que vive no Canadá, processa uma empresa israelense. A NSO Tecnologie Group, instalada em território palestino ocupado, é agora acusada de colaborar com a monarquia saudita no assassinato de Jamal Khashoggi.

Abdulaziz declarou ao jornal The New York Times que a empresa israelense grampeou seu telefone, por meio de um software, e monitorou suas conversas com o amigo Khashoggi.

Um grupo independente de investigação da Universidade de Toronto, o Citizen Lab, que estuda vigilância telefônica, informou a Abdulaziz que seu telefone estava  grampeado pelo software de fabricação israelense .

Leia também:
Culturas negras ameaçadas

O Spywere, ou Pegasus, como também é conhecido, é um dispositivo desenvolvido em Israel e  usado por várias ditaduras  para espionar seus opositores. Os israelenses são os maiores exportadores desta tecnologia, que  intercepta mensagens  privadas de forma ilegal  .

Outros jornalistas e a própria Anistia Internacional acusaram a NSO de espionar telefones de ativistas, militantes e opositores, em benefício dos Emirados Árabes e do México.

Leia também: Não adianta doar no Natal e apoiar um governo neoliberal

O assunto ganha outra dimensão por conta da disposição do futuro governo Bolsonaro pretender comprar drones e outras tecnologias de defesa israelenses.

Psiu… Tenha cuidado.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!

Compartilhar postagem