Mundo

Ex-chefe de propaganda da Coreia do Norte morre aos 94 anos

No final da década de 2010, as funções de Kim Ki Nam como chefe da propaganda de Pyongyang foram assumidas por Kim Yo Jong, a influente irmã do atual líder do país

Kim Jong Un no velório de Kim Ki Nam, seu ex-chefe de propaganda, morto aos 94 anos. Foto: KCNA VIA KNS / AFP
Apoie Siga-nos no

A imprensa estatal da Coreia do Norte anunciou nesta quarta-feira 8 a morte do ex-chefe de de propaganda do regime, Kim Ki Nam, que muitos consideram o mentor do culto à personalidade ao redor da dinastia Kim.

Imagens divulgadas pela agência estatal KCNA mostram o atual líder do regime hermético, Kim Jong Un, em um momento de reverência diante do caixão do “veterano revolucionário”.

Segundo a agência, Kim Ki Nam, que estava hospitalizado desde 2022, faleceu na terça-feira aos 94 anos devido a uma “disfunção de múltiplos órgãos”.

Ele ficou famoso por comandar durante décadas o crucial departamento de propaganda de Pyongyang, com o qual forjou o culto à dinastia Kim.

A imprensa estatal norte-coreana o descreveu como “um veterano do nosso Partido e da revolução, um teórico de prestígio e um proeminente ativista político.

No final da década de 2010, as funções de Kim Ki Nam como chefe da propaganda de Pyongyang foram assumidas por Kim Yo Jong, a influente irmã do atual líder.

(Com informações de AFP)

ENTENDA MAIS SOBRE: ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo