Mundo

Alemanha toma medidas contra financiamento da extrema-direita

Alteração legislativa prevê o encerramento de contas bancárias apenas com base na possibilidade de uma “ameaça potencial” à ordem pública

Olaf Scholz, chefe do governo alemão. Foto: Ralf HIRSCHBERGER / AFP
Apoie Siga-nos no

O governo de Olaf Scholz apresentou, nesta terça-feira (13), uma série de medidas para combater a extrema-direita, atacando em particular o seu financiamento, em uma Alemanha em choque após a revelação de uma reunião secreta de extremistas que planejavam como expulsar estrangeiros.

Ao receber com satisfação a recente manifestação de “centenas de milhares de cidadãos” contra os extremistas e o racismo – após a revelação dessa reunião em janeiro – a ministra do Interior, Nancy Faeser, detalhou as medidas para combater o que considera ser “a maior ameaça à ordem democrática”.

“Queremos destruir essas redes da extrema-direita. Queremos privá-las dos seus rendimentos, queremos tirar as suas armas”, sublinhou em uma coletiva de imprensa em Berlim.

Em particular, quer expandir os poderes do Gabinete Federal para a Proteção da Constituição – a informação interna da Alemanha – para que possa combater mais facilmente as fontes de financiamento das redes de extrema-direita.

Com uma alteração à legislação relativa aos serviços secretos, deverá ser possível encerrar contas bancárias apenas com base na possibilidade de uma “ameaça potencial” à ordem pública.

Neste momento, os investigadores têm este poder apenas se organizações ou redes incitarem ao ódio ou à violência.

Questionada sobre o calendário de implementação desta medida, Faeser afirmou que seria “o mais breve possível”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo