Mundo

Reunião de extremistas na Alemanha discutiu um plano de expulsão de estrangeiros

Segundo o veículo alemão Correctiv, membros da AfD, neonazistas e empresários se encontraram em novembro em Potsdam, cidade vizinha a Berlim

Placa do partido de extrema-direita alemão AfD em Berlim, em 2 de janeiro de 2024. Foto: John MacDougall/AFP
Apoie Siga-nos no

O partido de extrema-direita alemão AfD admitiu ter participado de uma reunião com um ativista de extrema-direita austríaco que defende a “remigração”, mas negou apoiar a proposta de expulsão em massa de estrangeiros.

De acordo com o veículo de investigação alemão Correctiv, membros da AfD, neonazistas e empresários reuniram-se em novembro em Potsdam, cidade vizinha a Berlim, para discutir um plano para expulsar estrangeiros ou pessoas de origem estrangeira da Alemanha.

O cofundador do Movimento Identitário da Áustria (IBÖ) Martin Sellner apresentou um projeto para enviar até dois milhões de pessoas – solicitantes de asilo, estrangeiros e cidadãos alemães que não teriam se integrado ao país – para o norte da África, diz Correctiv.

“Sim, eu estava (naquela reunião)”, confirmou Sellner à AFP. “Foi no final de novembro e apresentei o meu livro e o meu conceito identitário de remigração”, terminologia difundida por partidos hostis aos estrangeiros na Europa.

Segundo o Correctiv, entre os membros da AfD presentes estavam Roland Hartwig – representante pessoal de Alice Weidel, uma das líderes da formação -, o deputado Gerrit Huy e Ulrich Siegmund, presidente do grupo parlamentar regional da AfD da Saxônia Anhalt, no leste da Alemanha.

Em um e-mail enviado à AFP, a AfD afirmou que Hartwig “simplesmente apresentou um projeto de redes sociais” naquela reunião, para a qual havia sido convidado.

“Nenhuma estratégia política foi desenvolvida nem as ideias de Sellner sobre a política de migração foram aplicadas no partido. Não houve conhecimento prévio dessas ideias”, acrescentou a AfD.

A reunião foi organizada em um hotel pelo ex-proprietário da rede alemã de padarias Backwerk, Hans Christian Limmer, e pelo extremista de direita Gernot Mörig.

A AfD está sob supervisão do Gabinete Federal para a Proteção da Constituição, o serviço de inteligência interno da Alemanha.

O partido está crescendo nas pesquisas. Nos últimos meses, se beneficiou da sensação de insegurança da população devido ao fluxo de migrantes no país e às divergências permanentes entre os três partidos da coalizão de centro-esquerda de Olaf Scholz.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Os Brasis divididos pelo bolsonarismo vivem, pensam e se informam em universos paralelos. A vitória de Lula nos dá, finalmente, perspectivas de retomada da vida em um país minimamente normal. Essa reconstrução, porém, será difícil e demorada. E seu apoio, leitor, é ainda mais fundamental.

Portanto, se você é daqueles brasileiros que ainda valorizam e acreditam no bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo