Justiça

STF absolve homem por furtar decoração de Natal; Kassio e Mendonça votam contra

Prevaleceu na 2ª Turma o voto do relator, Gilmar Mendes, seguido pelos ministros Edson Fachin e Dias Toffoli

Kassio Nunes Marques e André Mendonça. Fotos: Nelson Jr. e Carlos Moura/STF
Apoie Siga-nos no

O Supremo Trbiunal Federal absolveu um homem condenado por furtar 20 metros de fios elétricos e 10 lâmpadas de uma decoração natalina em Florianópolis.

Prevaleceu na 2ª Turma o voto do relator, Gilmar Mendes, seguido pelos ministros Edson Fachin e Dias Toffoli. Kassio Nunes Marques e André Mendonça divergiram, mas foram vencidos.

Em julgamento no plenário virtual encerrado em 19 de abril, a Corte rejeitou um recurso apresentado pelo Ministério Público estadual contra a decisão de conceder um habeas corpus ao homem.

Gilmar recorreu ao princípio da insignificância e mencionou o baixo valor dos produtos (cerca de 250 reais), a mínima ofensiva da conduta e a ausência de periculosidade social da ação.

“Não é razoável que o Direito Penal e todo o aparelho do estado-polícia e do estado-juiz movimentem-se no sentido de atribuir relevância à hipótese de furto de 20 metros de fio, com dez lâmpadas, de decoração natalina”, escreveu o relator.

Mendonça, que chegou a interromper o julgamento com um pedido de vista (mais tempo para analisar o processo), disse ser necessário observar “a contumácia delitiva específica”, o contexto do furto, a reincidência específica do homem e o valor dos produtos, superior a 10% do salário mínimo.

Segundo ele, esses elementos mostram ser “consideráveis a reprovabilidade da conduta e a lesão ao bem jurídico tutelado, de modo a inviabilizar a observância do princípio”.

Na mesma linha, Kassio Nunes argumentou ser preciso levar em conta o prejuízo causado em decorrência do “comprometimento da iluminação de Natal mantida em Praça Pública” e a necessidade de recomposição do dano, com a compra de novos componentes elétricos e mão de obra.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo