Justiça

Por unanimidade, STF autoriza foto com traje religioso em documento

Acessórios só poderão ser vetados se impedirem a identificação

Foto: Marcello Casal Jr./Agência Brasil
Apoie Siga-nos no

O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu por unanimidade, nesta quarta-feira 17, que religiosos podem tirar fotos para documentos oficiais com vestimentas e acessórios relacionados às suas crenças – a não ser que eles impeçam a identificação individual.

A Corte analisou um recurso do Ministério Público Federal (MPF) para garantir a uma freira o direito de tirar a Carteira Nacional de Habilitação (CNH). Ela havia sido impedida pelo Departamento de Trânsito (Detran) de Cascavel (PR) de obter o documento por se recusar a tirar o hábito, uma vestimenta característica da religião católica.

A proibição se baseava na Resolução 192/2006, editada pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran), que vedava o uso de vestuário e acessórios que cubram a cabeça ou parte do rosto. No início de abril, o Contran liberou os itens religiosos.

Nas instâncias inferiores, a Justiça garantiu a utilização do hábito e definiu que a vestimenta não é um acessório estético.

Em 2014, o caso chegou ao STF por meio de um recurso da União. À época, estava em vigor a antiga regra do Contran, que proibia os acessórios.

Em fevereiro deste ano,  a Advocacia-Geral da União (AGU) enviou um documento ao Supremo para informar a intenção do governo federal de alterar as normas sobre trajes religiosos em fotos da CNH.

Conforme a Resolução nº 1.006, os itens de vestuário relacionados a crença ou religião, como véus e hábitos, e relativos a queda de cabelo por causa de doenças e tratamento médico poderão ser utilizados nas fotos para tirar um documento ou renová-lo. A face, a testa e o queixo, porém, precisam ficar visíveis.

A legislação mantém a proibição para utilização de óculos, bonés, gorros e chapéus nas fotos da carteira de motorista.

(Com informações da Agência Brasil)

ENTENDA MAIS SOBRE: ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo