Justiça

PF conclui que filho de Moraes foi vítima de injúria em confusão na Itália

A corporação encerrou as investigações sobre o tumulto em aeroporto de Roma, mas não indiciou ninguém

O ministro do STF Alexandre de Moraes. Foto: Carlos Moura/SCO/STF
Apoie Siga-nos no

A Polícia Federal encerrou as investigações sobre o tumulto no aeroporto de Roma envolvendo o ministro do Supremo Tribunal Federal Alexandre de Moraes em julho de 2023.

A conclusão é que o filho do magistrado foi vítima do crime de injúria real praticado por Roberto Mantovani Filho. Não houve, porém, qualquer indiciamento.

Segundo a PF, as imagens registradas pelas câmeras de segurança do aeroporto mostram o momento em que Mantovani Filho se dirige de modo incisivo a Alexandre Barci de Moraes e “o atinge no rosto com a mão direita, causando o deslocamento dos óculos do atingido”. Os detalhes do relatório foram divulgados nesta quinta-feira 15 pela TV Globo.

“Tal conduta se amolda ao tipo penal da injúria real (…), que se caracteriza pelo emprego de violência ou vias de fato — sendo estas juridicamente compreendidas como atos agressivos que, no entanto, não provocam lesões corporais — para ofender a dignidade ou o decoro de alguém”, diz um trecho do relatório.

Os investigadores acrescentaram que, logo na sequência, o filho do ministro revidou, empurrando Mantovani Filho com o braço esquerdo. Em seguida, um homem se colocou entre eles e apartou o conflito.

A PF ponderou que a ausência do som nas imagens captadas no aeroporto compromete a apuração dos fatos, “sobretudo em razão de a maior parte das divergências entre as duas versões apresentadas recair sobre o que foi dito pelos envolvidos na ocasião”.

Por fim, a corporação concluiu que, por se tratar de um crime de menor potencial ofensivo cometido fora do País, não haverá indiciamento.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Assine a edição semanal da revista ou contribua com o quanto puder.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo