CartaExpressa

Bolsonaro alega ter mandado R$ 800 mil para os EUA por ‘temer derrocada da poupança no Brasil’

A PF entende que a quantia viabilizaria o plano de aguardar em solo americano os desdobramentos de uma tentativa de golpe

O ex-presidente Jair Bolsonaro. Foto: Mauro Pimentel/AFP
Apoie Siga-nos no

O ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) alegou nesta quinta-feira 15 ter transferido 800 mil reais para um banco nos Estados Unidos devido a uma suposta incerteza sobre o cenário econômico no Brasil depois da eleição de 2022. A Polícia Federal, por outro lado, entende que a quantia viabilizaria o plano de aguardar em solo americano os desdobramentos de uma tentativa de golpe de Estado.

“Eu mandei o dinheiro acreditando na derrocada completa da poupança no Brasil”, disse o ex-capitão ao jornal O Estado de S. Paulo. Ele alegou, ainda, que “muita gente mandou dinheiro para fora após as eleições”.

Trechos de um documento da PF sobre a apuração da trama golpista de 2022 foram publicados nesta quinta pelo G1. Segundo a corporação, os investigados “tinham a expectativa de que ainda havia possibilidade de consumação do golpe de Estado”.

“Alguns investigados se evadiram do país, retirando praticamente todos seus recursos aplicados em instituições financeiras nacionais, transferindo-os para os EUA, para se resguardarem de eventual persecução penal instaurada para apurar os ilícitos”, sustenta o documento.

A PF apontou que Bolsonaro transferiu o equivalente a 800 mil reais para um banco dos Estados Unidos em 27 de dezembro de 2022. O objetivo seria “assegurar sua permanência do exterior, possivelmente, aguardando o desfecho da tentativa de golpe de Estado que estava em andamento”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Relacionadas

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.