Justiça

‘Não há ilegalidade’, diz juíza sobre prisão de jovem negro arrastado por moto

O boletim de ocorrência feito pela Polícia Civil não menciona que o jovem foi algemado e arrastado em via pública por um PM

O jovem negro que foi algemado e arrastado por um policial militar de moto em São Paulo teve sua prisão em flagrante convertida em preventiva, em audiência de custódia realizada na tarde de quarta-feira 1. 

Na decisão, a juíza Julia Martinez Alonso de Almeida Alvim, do Departamento de Inquéritos Policiais de São Paulo (DIPO), entendeu não haver ilegalidade na prisão. 

“O auto de prisão em flagrante encontra-se formalmente em ordem, não havendo nulidades ou irregularidades (…). Embora haja alegação de violência praticada por um dos policiais militares no momento da prisão, tal circunstância não é capaz de macular a prisão pela prática do crime de tráfico de drogas (…). A ocorrência de violência policial deverá ser apurada na esfera adequada”, diz trecho da decisão da magistrada. 

Segundo informação confirmada pelo UOL, o boletim de ocorrência feito pela Polícia Civil não menciona que o jovem foi algemado e arrastado em via pública.  

Como procedimento de praxe nos casos de prisão, o rapaz será encaminhado ao IML para verificar se a abordagem causou alguma lesão. 

A Corregedoria da Polícia Militar de São Paulo abriu um Inquérito Policial Militar para apurar as condições em que ocorreu a prisão. O agente que aparece conduzindo a moto foi afastado da função temporariamente e pode responder pelos crimes de tortura, racismo e abuso de autoridade. 

Já o outro policial também presente no caso pode responder por prevaricação. 

A investigação será acompanhada pela Comissão de Direitos Humanos da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) e pelo Grupo Tortura Nunca Mais.

Marina Verenicz

Marina Verenicz
Repórter do site de CartaCapital

Tags: , , ,

Assine nossa newsletter

Receba conteúdos exclusivos direto na sua caixa de entrada.

Um minuto, por favor...

Obrigado por ter chegado até aqui. Combater a desinformação, as mentiras e os ataques às instituições custa tempo e dinheiro. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, alicerçado em dados e fonte confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se você acredita no nosso trabalho, junte-se a nós. Apoie, da maneira que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo integral de CartaCapital!