Justiça

MP investiga lavagem de R$ 2,1 milhões em loja de Flávio Bolsonaro, diz jornal

Suspeita dos investigadores é de que salários de assessores eram lançados em registros de comercialização do estabelecimento

Foto: Reprodução/Redes Sociais
Foto: Reprodução/Redes Sociais
Apoie Siga-nos no

O Ministério Público do Rio (MP-RJ) investiga se a compra de uma franquia da Kopenhagen pelo senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ) foi usada para lavar dinheiro. A informação é do jornal O Estado de S. Paulo.

De acordo com a reportagem, os promotores suspeitam que ao menos 2,1 milhões de reais possam ter sido “legalizados” com a aquisição e com a movimentação financeira da loja.

Parte do valor seria desviada do suposto esquema de “rachadinha”  no antigo gabinete de Flávio na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

Segundo a matéria, ao menos 500 mil reais foram ocultados na aquisição da loja, em dezembro de 2014, e mais de 1 milhão de reais aparece na conta da empresa de forma suspeita.

O dinheiro teria sido lançado como venda de chocolates, em dinheiro vivo, para dissimular a origem dos recursos, registram os autos.

Esquema das rachadinhas

A quebra de sigilo feita pela Promotoria revela que salários de assessores eram lançados nos registros de comercialização da Bolsotini Chocolates e Café.

Os promotores identificaram a omissão no Imposto de Renda, após cruzamento de dados bancários e fiscais de Flávio e sua esposa, Fernanda Bolsonaro, que tiveram o sigilo quebrado em abril de 2019, com autorização do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ).

O senador nega as acusações de crime e afirma que todas as operações financeiras da loja são legais e fruto de recursos próprios, declarados regularmente à Receita.

Ex-assessores sacaram ao menos  7,2 milhões

Investigações do MP-RJ mostram que ex- assessores do senador sacaram, em dinheiro vivo, pelo menos 7,2 milhões de reais.

O valor sacado corresponde a 60% do que os servidores receberam dos cofres públicos fluminenses.

As datas das retiradas, de acordo a investigação, correspondem a períodos em que o senador pagou despesas usando dinheiro em espécie.

O cálculo considera 24 ex-funcionários do atual senador quando ele era deputado estadual no Rio e exclui valores sacados pelo ex-assessor Fabrício Queiroz – que, segundo os promotores, seria o operador do suposto esquema.

CartaCapital

CartaCapital Há 27 anos, a principal referência em jornalismo progressista no Brasil.

Tags: , , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor...

Apoiar o bom jornalismo nunca foi tão importante

Obrigado por ter chegado até aqui. Nós, da CartaCapital, temos o compromisso diário de levar até os leitores um jornalismo crítico, que chama as coisas pelo nome. E sempre alicerçado em dados e fontes confiáveis. Acreditamos que este seja o melhor antídoto contra as fake news e o extremismo que ameaçam a liberdade e a democracia.

Se este combate também é importante para você, junte-se a nós! Contribua, com o quanto que puder. Ou assine e tenha acesso ao conteúdo completo de CartaCapital.