Justiça

Justiça condena Carla Zambelli a pagar indenização a Manuela D’Ávila por associá-la à “esquerda genocida”

Em fevereiro de 2022, a deputada publicou uma montagem na qual Manuela aparece com chifre e olhos vermelhos

A deputada federal Carla Zambelli (PSL-SP). Foto: Michel Jesus/Câmara dos Deputados
Apoie Siga-nos no

O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul reformou a sentença de primeira instância e condenou a deputada federal Carla Zambelli (PL) por danos morais contra Manuela D’Ávila por ter associado a ex-parlamentar à “esquerda genocida”.

O caso se refere a uma montagem publicada por Zambelli em que as deputadas federais do PSOL Sâmia Bomfim e Talíria Petrone e a ex-candidata à Vice-Presidência Manuela d’Ávila (PCdoB) com chifres e olhos vermelhos.

Na legenda, a deputada criticava a postura das colegas por terem celebrado a legalização do aborto na Colômbia. Zambelli as acusou “genocidas”, conduta tipificada como crime no ordenamento nacional e internacional.

Em primeira instância, o pedido indenizatório protocolado por Manuela havia sido julgado improcedente. 

Na sentença, o magistrado entendeu que não havia sido demonstrado prejuízo ou dano a imagem e reputação da ex-deputada. 

No entanto, por decisão unânime, a 10ª Câmara Cível do TJRS contrariou o entendimento do juiz e condenou Zambelli ao pagamento de 20 mil reais de indenização por danos morais. 

A deputada aliada ao ex-presidente Jair Bolsonaro (PL) ainda pode apelas da decisão. 

Nas redes sociais, a ex-candidata à vice-Presidência comemorou a condenação e cobrou Zambelli. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo