Justiça

Eleitor não será multado por doação acima do limite legal a candidato, decide TSE

A Corte acolheu o recurso de um doador

O plenário do TSE Foto: Evaristo Sá/AFP
Apoie Siga-nos no

O Tribunal Superior Eleitoral aceitou o recurso de um eleitor que havia sido multado pelo Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo por doação acima do limite legal nas eleições de 2020. 

A multa havia sido estipulada considerando 50% do total da quantia supostamente doada em excesso. 

A decisões que revogou a condenação considerou que o TRE não havia considerado, para fins de doação eleitoral, a possibilidade de somar rendimentos de cônjuges casados em regime de comunhão parcial de bens.

Em seu voto, o ministro Raul Araújo ressaltou que a Corte já havia decidido em mesmo sentido em recurso anterior. 

“Não há diferença, no dia a dia dos cônjuges casados, pelo regimento de separação e comunhão universal ou de comunhão parcial de bens. Isso, a meu ver, é irrelevante. Assim, do ponto de vista de doação eleitoral, deve-se considerar o total do rendimento do casal”, afirmou o relator, seguido pelos demais ministros.

A legislação eleitoral prevê que pessoas físicas podem contribuir com campanhas eleitorais até o limite de 10% dos rendimentos brutos do doador. 

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.