Justiça

Coaf pode compartilhar dados com a polícia e o MP mesmo sem aval judicial, decide o STF

A 1ª Turma confirmou a decisão de Cristiano Zanin que derrubou entendimento do STJ

O ministro do STF Cristiano Zanin. Foto: Carlos Moura/SCO/STF
Apoie Siga-nos no

A 1ª Turma do Supremo Tribunal Federal confirmou nesta terça-feira 2, por unanimidade, uma decisão do ministro Cristiano Zanin que autoriza a polícia e o Ministério Público a solicitarem relatórios de inteligência financeira ao Conselho de Controle de Atividades Financeiras sem prévia autorização judicial.

Em novembro de 2023, Zanin derrubou uma decisão do Superior Tribunal de Justiça que declarava ilegais os relatórios do Coaf produzidos após pedido direto da polícia. O entendimento da 6ª Turma do STJ havia sido firmado em agosto, durante a análise de um caso sobre lavagem de dinheiro no Pará.

Ao recorrer da determinação, a Procuradoria da República no estado alertou que apurações em andamento poderiam ser prejudicadas caso a medida fosse aplicada.

Em 2019, porém, o STF já havia autorizado o compartilhamento de dados de órgãos de controle com o MP e a polícia, mesmo sem decisão judicial.

“Os relatórios emitidos pelo Coaf podem ser compartilhados espontaneamente ou por solicitação dos órgãos de persecução penal para fins criminais, independentemente de autorização judicial”, defendeu Zanin nesta terça. Seguiram o relator os ministros Flávio Dino, Luiz Fux, Cármen Lúcia e Alexandre de Moraes.

“O STJ, com todo respeito, deu aquela desviada de interpretação entendendo que só poderia ser compartilhado se fosse o enviado pelo Coaf, o que não foi o decidido pelo Supremo Tribunal Federal”, afirmou Moraes no julgamento.

Dino sustentou, por sua vez, que “seria ilógico se o compartilhamento de ofício pelo órgão que não é de persecução penal possa ser feito, mas a solicitação pelo órgão de persecução penal não possa ser feita”.

A Procuradoria-Geral da República também se manifestou pela derrubada da ordem do STJ, sob o argumento de ausência de “fundamento razoável”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo