Justiça

STJ concede prisão domiciliar a mulher que estava em presídio alagado no RS

A mulher é mãe de duas crianças com menos de 12 anos

Vista aérea de Porto Alegre (RS), em 6 de maio de 2024. Foto: Carlos Fabal/AFP
Apoie Siga-nos no

A 5ª Turma do Superior Tribunal de Justiça concedeu prisão domiciliar a uma mulher que estava presa no Rio Grande do Sul, a fim de que ela possa cuidar de suas duas filhas, ambas com menos de 12 anos. A decisão, tomada por unanimidade nesta quarta-feira 15, levou em consideração a catástrofe climática que assola o estado e provocou 149 mortes.

Uma orientação do Conselho Nacional de Justiça a prever a reavaliação de prisões preventivas com mais de 90 dias ou relacionadas a crimes sem violência também pesou na decisão do colegiado.

Presa por tráfico de drogas desde outubro passado, a mulher tentou obter um habeas corpus, mas a demanda não prosperou no Tribunal de Justiça gaúcho. As fortes chuvas que atingem o Rio Grande do Sul chegaram a alagar o primeiro andar do presídio onde ela estava.

Os integrantes da 5ª Turma do STJ seguiram o entendimento da relatora do caso, a ministra Daniela Teixeira. A avaliação é que, em situações de desastre público, a flexibilização das prisões pode ser justificada por motivos humanitários ou por questões práticas e operacionais.

“Eventos como pandemias, catástrofes naturais ou emergências em larga escala exigem uma reavaliação das prioridades e capacidades do sistema prisional, que pode ser gravemente afetado nessas circunstâncias”, afirmou a magistrada.

Teixeira ainda ressaltou que as unidades prisionais podem se transformar em focos de propagação de doenças, representando um risco não apenas para os detentos, mas para os funcionários e a comunidade em geral.

Ela rejeitou, contudo, um pedido da Defensoria Pública para que a decisão se estendesse a processos semelhantes. “Não se pode correr o risco de agravar o caos e o sentimento de insegurança das pessoas que estão lá, da sociedade em geral. Pois poderíamos vir a soltar pessoas com histórico de violência, acusadas de crimes graves.”

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Apoie o jornalismo que chama as coisas pelo nome

Depois de anos bicudos, voltamos a um Brasil minimamente normal. Este novo normal, contudo, segue repleto de incertezas. A ameaça bolsonarista persiste e os apetites do mercado e do Congresso continuam a pressionar o governo. Lá fora, o avanço global da extrema-direita e a brutalidade em Gaza e na Ucrânia arriscam implodir os frágeis alicerces da governança mundial.
CartaCapital não tem o apoio de bancos e fundações. Sobrevive, unicamente, da venda de anúncios e projetos e das contribuições de seus leitores. E seu apoio, leitor, é cada vez mais fundamental.
Não deixe a Carta parar. Se você valoriza o bom jornalismo, nos ajude a seguir lutando. Contribua com o quanto puder.

Quero apoiar

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo