CartaExpressa

Após Zanin, Moraes suspende ação que reconheceu vínculo de emprego entre entregador e aplicativo

Moraes argumenta que a Justiça do Trabalho ignora a jurisprudência do Supremo sobre o tema

Foto: Divulgação/STF
Apoie Siga-nos no

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal, decidiu suspender a decisão da Justiça do Trabalho que obrigava o aplicativo Rappi a assinar a carteira de um entregador. A decisão monocrática foi publicada nesta quarta-feira 29.

Esta é a segunda vitória do aplicativo Rappi no STF, já que no último dia 22 o ministro Cristiano Zanin decidiu de forma parecida com Moraes, anulando o reconhecimento de vínculo empregatício de um entregador com a empresa.

Assim como no caso de Zanin, Moraes argumenta que a Justiça do Trabalho ignora a jurisprudência do Supremo sobre o tema. A decisão anulada é da 16ª Vara do Trabalho de Belo Horizonte, do Tribunal Regional do Trabalho da 3ª Região e do Tribunal Superior do Trabalho.

Os tribunais davam ganho de causa a um motoboy que processou o Rappi por ter sido contratado como entregador entre abril e agosto de 2019 e que realizava jornadas diárias para o app ganhando cerca de R$ 300 por semana.

Em nota, enviada à CartaCapital, o Rappi comemora a decisão. Segundo a plataforma, esta “é uma vitória não somente para o Rappi, mas para todo o setor de plataformas digitais no Brasil e mais um passo que ajuda a garantir a continuidade deste setor econômico, que está caminhando para ter um inédito marco legal da nova forma de trabalho proposta pelas plataformas digitais”.

Ainda conforme o Rappi, essas decisões ajudam a “garantir a segurança jurídica do modelo de negócio”.

ENTENDA MAIS SOBRE: , , , ,

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Leia também

Jornalismo crítico e inteligente. Todos os dias, no seu e-mail

Assine nossa newsletter

Assine nossa newsletter e receba um boletim matinal exclusivo

Um minuto, por favor…

O bolsonarismo perdeu a batalha das urnas, mas não está morto.

Diante de um país tão dividido e arrasado, é preciso centrar esforços em uma reconstrução.

Seu apoio, leitor, será ainda mais fundamental.

Se você valoriza o bom jornalismo, ajude CartaCapital a seguir lutando por um novo Brasil.

Assine a edição semanal da revista;

Ou contribua, com o quanto puder.